Tamanho do texto

Churrasqueiro dá dicas para acertar na compra e fazer um bom churrasco

Para quem não está acostumado com a churrasqueira pode ser um pouco confuso escolher carne para churrasco, afinal, há uma série de opções no açougue. Conhecer os diferentes cortes ajuda muito na hora da compra e evita uma refeição “sem graça”, já que nem todos ficam gostosos na grelha. 

Leia também: Como fazer um bom churrasco? Brasileiro leva tradição a Itália e dá dicas

carne na grelha arrow-options
shutterstock
Saber como escolher para churrasco faz toda a diferença no resultado final

Para descobrir os segredos de como escolher carne para churrasco , conversamos com o churrasqueiro José Almiro, do canal do YouTube “Churrasqueadas”. Ele falou quais são os melhores cortes, os menos indicados e ainda deu dicas de como comprar e fazer um bom churrasco. 

Qual a melhor carne para churrasco?

Os melhores cortes costumam ser também aqueles mais comuns. Almiro fala que os mais escolhidos para churrasco são   picanha , contrafilé, maminha, alcatra, fraldinha, costela, cupim. No entanto, ele comenta que está acontecendo uma mudança no mercado brasileiro em relação aos tipos de carne. 

Segundo o churrasqueiro, com a melhora da genética e com a inclusão de gados europeus no mercado brasileiro, como angus, cortes dianteiros que antes não eram explorados estão começando a cair no nosso gosto. “Como o acém, a paleta e até a ponta de peito”, exemplifica. 

Em relação à carne suína, Almiro sugere cortes como o pernil, o mignon, a bisteca, panceta e a costelinha. Então, se optar por qualquer um desses estará fazendo uma boa escolha para o churrasco.

Leia também: Bife de ancho: conheça uma alternativa para a rainha do churrasco

E a pior?

Almiro fala que não existe carne ruim na hora do churrasco. “Tudo se aproveita! Você pode moer e fazer hambúrguer, pode picar e fazer um arroz carreteiro ou fazer uma farofa”, sugere. Ele diz que praticamente todos os cortes podem ser feitos na churrasqueira, basta saber como fazer. 

“Alguns cortes mais rígidos podem ser feitos no churrasco utilizando outras formas de assar. Como no caso do cupim, ponta de peito, que necessitam de um cozimento lento em baixa temperatura por um longo período de tempo”, diz. 

O churrasqueiro também explica que cortes como coxão duro, lagarto, são mais indicados para ensopado, cozidos, por serem rígidos ou secos.

O ponto da carne

homem fazendo churrasco arrow-options
shutterstock
O ponto da carne varia conforme o gosto, mas é interessante deixar a peça macia e suculenta

O ponto da carne varia conforme o gosto. Porém, Almiro tem algumas dicas para deixá-la macia e suculenta. Ele sugere cortar bifes de dois a três centímetros, o que mantém toda a suculência da carne. 

“Outra dica é sempre que for levar a carne para churrasqueira, leve-a em temperatura ambiente. Por isso, deixe-a fora da geladeira por uns 20 minutos antes de levar a grelha”, diz. Outro fator importante é a temperatura da churrasqueira, que deve estar bem quente. “Leve os bifes a grelha. Assim que a parte de baixo ficar com aquela crosta dourada bonita, é hora de virar. Fez a crosta do outro lado, está ao ponto”, orienta. 

Leia também: Não sabe como fazer bife? Chef dá dicas para nunca mais errar

Atenção na hora da compra!

Almiro alerta para fazer a compra sempre em estabelecimentos confiança, limpos, com higiene e de procedência. Na hora de pedir a carne para churrasco , atente-se a alguns pontos:

“Cortes como picanha, a camada de gordura é muito importante. Deve ter uma gordura firme, aproximadamente 1 cm de espessura. E procure uma picanha com marmoreio, que significa pontos de gordura entremeada na carne”.

“No contrafilé isso é muito mais evidente. O marmoreio é fundamental para uma carne macia, suculenta e saborosa. A carne também deve ter uma cor viva e sem cheiro estranho”, completa.