Tamanho do texto

A técnica surgiu nos Estados Unidos e ainda é novidade no Brasil. Os materiais utilizados nas bebidas são comestíveis e não prejudicam a saúde

As bebidas com glitter conquistam os olhares imediatamente, uma vez que são chamativas e incomuns. A técnica de transformar o drinque em obra de arte começou nos Estados Unidos e está dando os seus primeiros passos nos bares brasileiros.

Garrafas com bebida com glitter
Reprodução/Instagram/kustomdrink
Bebidas com glitter é uma técnica muito nova no Brasil, mas que tem chamado muita atenção

Leia também: Bebidas com metade da graduação alcoólica são tendência no mundo

Lá fora, colocar glitter nas bebidas é mais comum em casos de chopps e cervejas. Em maio deste ano , inclusive, a empresa norte-americana Brew Glitter criou um glitter ecológico e comestível para que cervejarias possam produzir cervejas brilhantes e chamativas.

Esse glitter desenvolvido pela empresa norte-americana é aprovado pela FDA, agência de segurança alimentar dos Estados Unidos. A Brew Glitter afirma por meio de um comunicado em suas redes sociais que o material se dissolve e não é prejudicial à saúde ou ao meio ambiente.

No Brasil, essa técnica ainda não é tão popular. Um dos adeptos dessa novidade é o bartender Lucas Teixeira de Oliveira, de 26 anos, que conheceu e se apaixonou pela técnica através de um licor europeu chamado Viniq Shimmery. Em 2018, depois de várias tentativas, Lucas conseguiu reproduzir o efeito dessa bebida.

De acordo com Lucas, os materiais utilizados são feitos pra área de patisserie e são comestíveis, ou seja, também não são prejudiciais à saúde: "Basicamente, uso corantes alimentícios diversos para chegar em cores intensas/compostas. Para o brilho, uso um glitter especial de patisserie, também comestível", explica o bartender.

Leia também: Cerveja dos faraós é recriada por cientistas israelenses

Cor diferente, mesmo sabor

Apesar de comestível, o material utilizado não agrega nenhum sabor ao drinque . "Não muda nada. Já fiz teste de sabor e não houve nenhuma mudança. Algumas pessoas já beberam achando que tinha sabor e a reação foi engraçada ao ver que era só vodka", Lucas conta.

O bartender explica que o preço do seu trabalho é variável: "Depende muito das bebidas que vou usar. Pode ser desde a cachaça mais barata a uma vodka cheia de requinte".

Entretanto, normalmente os clientes compram a garrafa e entregam para que Lucas aplique a técnica. "Então após ter a escolha da bebida entregue pelo próprio cliente, eu passo os detalhes de tudo que vou fazer e então acertamos cores e efeitos que ele deseja. Meu valor para colocar o efeito é de R$ 15 a R$ 30 a garrafa".

Leia também: Bares para ouvir discos de vinil se popularizam nos Estados Unidos