Tamanho do texto

O chef francês comenta sobre o ingresso na gastronomia, altos e baixos da carreira, participação no "MasterChef Brasil" e ensina uma receita exclusiva

Todo mês, o iG Receitas apresenta uma entrevista especial com um chef de cozinha. Em maio, conversamos com Henrique Fogaça sobre os prazeres e os desafios da carreira . Desta vez, batemos um papo com o chef francês Erick Jacquin.

érick jacquin
Reprodução/Instagram/@masterchefbr
Erick Jacquin é o "chef do mês" do iG Receitas e conta sobre trajetória na gastronomia francesa

Conhecido em todo o Brasil por compor a bancada de jurados do programa “MasterChef Brasil”, Erick Jacquin tem uma longa trajetória na culinária francesa. O chef começou o trabalho na cozinha ainda novo, aos 13 anos de idade, quando vivia na pequena e tradicional cidade do Departamento de Cher, na França.

O caminho de Jacquin até chegar à tela dos brasileiros foi longo e marcado por altos e baixos. Em entrevista exclusiva ao iG Receitas , o chef francês comenta sobre o ingresso na gastronomia, a chegada ao Brasil e os impactos do reality de culinária na carreira.

Início da carreira

Jacquin conta que a paixão pela culinária nasceu com ele. “Eu nunca imaginei fazer outra coisa. Até nos momentos mais difíceis. A Ana Paula Padrão fala que eu nasci para ser cozinheiro”, fala o chef.  

Ainda criança, o chef conta já “brincar com as panelas”. Na adolescência, após ter falado “eu quero ser cozinheiro” ao pai, começou a trabalhar numa pâtisserie, apenas com sobremesas. Jacquin lembra que o início não foi fácil. Em seu primeiro emprego, por exemplo, não ganhou nada pelos serviços prestados.

Em seguida, precisou lidar com um mentor muito exigente, mas que lhe trouxe vários aprendizados. Esse chef atuava em Paris e garantiu a Jacquin que trabalhar com ele era uma oportunidade e tanto para quem queria se destacar na gastronomia. Foi em meio à rigidez e às broncas que Jacquin deus os primeiros passos na área.

Leia também: Crème brûlée? Ceviche? Saiba como descomplicar receitas difíceis

Trajetória do chef francês no Brasil

érick jacquin
Reprodução/Instagram/@masterchefbr
O chef francês patenteou no Brasil o famoso "petit gâteau", sobremesa que consiste em um bolinho de chocolate que costuma ser servido com sorvete

A vida de Jacquin para o Brasil aconteceu em 1995, quando recebeu uma boa proposta de emprego. Na época, trabalhava em um restaurante parisiense e cogitava abrir seu próprio negócio, mas o convite para o país tropical era mais interessante.

O chef conta que logo que chegou, a sua experiência gastronômica brasileira começou. O francês desembarcou no país em um sábado, então a primeira coisa que comeu foi a famosa feijoada. Embora tenha gostado do prato, a culinária do Brasil demorou para conquistar o coração de Jacquin.

“No início, não posso falar que gostava muito. Eu não gostava de comer arroz e feijão, nem gostava muito de farofa. Hoje eu gosto. Após 25 anos você se acostuma”.

Se a comida brasileira não conquistou Jacquin de imediato, o mesmo não pode ser dito sobre o povo brasileiro: “Brasileiros são maravilhosos. Fui muito, muito bem recebido. O mais difícil foi o português. Eu não falava nada”.

Ao ser questionado se a culinária do país influenciou os pratos do francês, Jacquin afirma que a sua intenção nunca foi fazer comida brasileira. “Nunca quis fazer uma comida adaptada. Eu acho que quem deve fazer isso são os brasileiros, não eu. Cheguei aqui formado, já era chef, tinha uma estrela Michelin na França. Eu vim aqui para fazer uma comida francesa”.

Tanto trouxe a comida francesa para o Brasil, que chegou a patentear o famoso e amado petit gâteau – sobremesa de chocolate servida com sorvete. “São as duas palavras francesas mais conhecidas no Brasil hoje”, diz sem esconder a satisfação.

Jacquin conta que o nome da sobremesa surgiu após seu chefe contestá-lo diante do tamanho do bolo de chocolate, pois esperava algo maior, preenchendo o prato. “Eu disse ‘Então vamos chamar de petit gâteau. Pequeno bolo’. A gente começou o petit gâteau desse jeito e foi o que me fez ser conhecido muito rápido”, explica.

Erick Jacquin também comandou o Le Coq Hardy durante quatro anos. Depois, assumiu a cozinha do conhecido Café Antiqüe, especializado na mais alta gastronomia francesa. Após dez anos no Brasil, inaugurou a La Brasserie Erick Jacquin

Hoje, é um dos jurados do “MasterChef Brasil” ao lado de Henrique Fogaça e Paola Carosella . O chef também se prepara para inaugurar um novo restaurante em São Paulo, o “Président”, que será localizado no Jardins e tem previsão de abertura entre agosto e setembro.

"O 'MasterChef' mudou muito o Brasil"

érick jacquin
Reprodução/Instagram/@masterchefbr
Jacquin acredita que o "MasterChef Brasil" mudou a forma como o brasileiro se relaciona com a comida

Jacquin conta que o “ MasterChef Brasil ” surgiu como uma oportunidade para se reinventar, já que enfrentava um período difícil profissionalmente após fechar as portas de um restaurante. Sem hesitar, aceitou o convite e formou um time ao lado de Fogaça e Paola. “Foi uma mistura boa. Viramos muito amigos e não imaginamos fazer o ‘MasterChef’ um sem o outro.”

Segundo o chef francês , o reality de culinári o tornou uma pessoa mais simples e lhe ofereceu incontáveis aprendizados. “O ‘MasterChef’ mudou a minha vida. Ao mesmo tempo, mudou muito o Brasil. É um programa muito mais cultural do que as pessoas imaginam”, afirma.

Jacquin acredita que o programa de TV proporcionou aos brasileiros a oportunidade de repensar a comida e aprender novos pratos, variando o arroz e feijão de todo dia. “Hoje tem gente que come muito diferente, que compra panela diferente, que faz churrasco diferente”, exemplifica. “Eu não estou falando ‘graças ao Jacquin’, eu estou falando ‘graças ao conceito MasterChef’”, completa.

“O cumprimento mais bonito que eu já recebi foi uma menina que virou para mim e falou ‘graças a vocês, pela primeira vez eu vi o meu pai cozinhar em casa’”, comenta. 

Leia também: 3 receitas fáceis com queijo para você aproveitar a qualquer hora do dia

Receita exclusiva de Erick Jacquin

érick jacquin
Claudia Ratti
O chef ensina uma receita de salada com laminado de frango, figo e pontinhas de aspargo para o iG Receitas


O chef Erick Jacquin recebeu a reportagem do iG Receitas em sua casa para esse bate papo e, depois de contar sobre a carreira e trajetória no Brasil, aceitou a nossa proposta de preparar e ensinar uma receita exclusiva. 

Jacquin sabia que queria aproveitar alguns pedaços de frango que sobraram do almoço, mas não tinha ideia do que preparar. Então, ao chegar em sua cozinha, abriu a geladeira e observou o que tinha à disposição para uma receita rápida e prática, mas saborosa.

O chef encontrou alface, figo, aspargos e partiu para a bancada para criar a receita. “É tipo uma entradinha”, explica. O francês cortou os ingredientes com cuidado, passou na frigideira com azeite de nozes e montou o prato de forma delicada. 

Para ele, essa é uma forma de aproveitar o que se tem na cozinha sem cair na mesmice e inventar um prato especial.

salada de frango
Claudia Ratti

A dica de Erick Jacquin é cortar o frango bem fininho, tirar o figo com uma colher de café e cortar os aspargos no meio. O chef garante que o toque especial fica por conta do prato montado delicadamente.  Confira o passo a passo da salada com laminado de frango, figo e pontinhas de aspargo .