Os queijos mais populares do Brasil

Chefs dão dicas para sair do óbvio, preparar novas receitas e tirar o melhor proveito do seu queijo predileto. Conheça as variedades mais consumidas no País

iG São Paulo * |

Getty Images
Veja como usar o queijo da melhor forma na sua receita


O Brasil possui uma grande variedade de queijos típicos, como o meia cura ou o minas frescal. Mas também é possível encontrar versões nacionais de queijos tradicionais de vários lugares do mundo. Conheça alguns dos queijos mais consumidos pelo brasileiro e saiba como usá-los em receitas clássicas ou pratos que fogem do lugar-comum.

Mussarela: O queijo mozzarella verdadeiro surgiu na Itália e é feito com leite de búfala, no formato de pequenas bolas que são conservadas em soro. Na Itália, apenas os queijos feitos dessa maneira recebem o nome de mozzarella. Por aqui, a mussarela (ou "muçarela", "muzarela" e ainda "mozarela") é feita também com leite de vaca e vendida em peças retangulares e é um dos queijos mais consumidos no país. Sempre que falamos de mussarela lembramos da pizza, mas ela ser usada em lanches e outras receitas: "Fica deliciosa dentro de um omelete", diz o chef Charles Piriou, do PJ Clarke's.

Parmesão: O tradicional queijo Parmigiano-Reggiano nasceu no Vale do rio Pó, há mais ou menos 800 anos. É um queijo de origem controlada, então a marca Parmigiano-Reggiano só é usada em queijos produzidos em algumas regiões da itália. Feito com leite de vaca, ele passou a ser copiado em várias regiões do mundo e é especialmente popular no Brasil. Seu sabor adocicado e levemente picante faz com que ele seja a principal escolha para acompanhar massas e risotos. "Mas tudo vai bem com parmesão", afirma Fernando Oliveira, dono da loja A Queijaria, especializada em queijos. Segundo ele, o parmesão é uma ótima opção para acompanhar tábuas de frios e para gratinar pratos.

Prato: É um queijo tipicamente brasileiro. Nasceu em Minas Gerais na década de 1920 e é uma adaptação do queijo-do-reino. Recebeu esse nome por ter um formato arredondado que se assemelhava a um prato. Hoje, ele é vendido em um formato quadrado, que facilita o corte. Por sua textura macia e sabor suave, é usado principalmente em lanches. Charles Pirinou recomenda usar o queijo como acompanhamento para peito de peru ou presunto.

Cheddar: O cheddar mais popular, vendido nos supermercados, é um queijo processado (quando os queijos recebem sal, corantes e emulsionantes), é uma criação americana, mas o verdadeiro queijo cheddar nasceu na Inglaterra. Feito a partir de leite de vaca, ele é curado por doze a dezoito meses até adquirir uma consistência firme. "O queijo cheddar popular é o clássico para preparar um hambúrguer grelhado delicioso", diz o chef Charles Piriou.

Getty Images
Queijos brancos costumam ter menos gordura do que os amarelos

Ricota: Tecnicamente, a ricota é um derivado do queijo, preparada a partir do soro do leite. No Brasil, é permitido adicionar um pouco de leite ao soro durante a fabricação, para aumentar o rendimento. Na Itália, país onde surgiu, e França é produzido com leite de cabra, enquanto no Brasil é feito a partir do leite de vaca. Com um sabor leve e pouca gordura, pode acompanhar alimentos leves. "Pode ser usado dentro de saladas ou em uma uma bruschetta com tomate", diz Charles Piriou. Fernando Oliveira, da Queijaria, recomenda também usar a ricota como base para patês.

Minas Frescal: Tipicamente brasileiro, o queijo de minas de frescal é um queijo branco feito a partir da coagulação do leite. É um queijo fresco, sem maturação e de validade mais curta, com uma consistência bem macia e sabor leve. "É o queijo do dia-a-dia", diz Fernando Oliveira. O dono da Queijaria diz que é a opção perfeita para preparar uma berinjela à parmegiana. Se preferir uma receita mais clássica, o chef Charles Piriou dá a dica: "para comer no café da manhã, junto com uma torrada de pão integral".

Meia Cura: é o verdadeiro queijo minas artesanal. É produzido nas regiões mineiras de Araxá, Canastra, Cerrado, Serro e Campo das Vertentes. Segundo o chef e mestre queijeiro Bruno Cabral, especialista em queijos artesanais, o meia cura é extremamente maleável, e pode ser usado principalmente com doces, como o tradicional romeu e julieta. Ele diz que o meia cura pode ainda ser usado na preparação de petit gateau ou em uma fondue. Para Fernando Oliveira, o meia cura é ideal para fazer pão de queijo, mas também é o acompanhamento ideal para a cachaça. E o chef Juliano Valese, do restaurante Torero Valese, garante que o queijo vai muito bem com tortillas.

Coalho: Curtido artesanalmente e muito popular na região nordeste do Brasil, o queijo coalho (ou queijo de coalho) pode ser usado em várias receitas. Pode ser comido puro ou acompanhado por doces, como mel e geleia. Bruno Cabral diz que ele fica delicioso em uma receita tradicional do nordeste, a cartola, com banana frita, mel de engenho e o queijo grelhado. Por ter uma textura mais rígida, não pode ser fundido, mas vai bem em um churrasco, porque fica com uma casca crocante por fora.

* reportagem e texto de Andre Sollitto

Leia tudo sobre: queijocoalhomussarelameia curaminas frescalricotacheddarparmesão

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG