Tamanho do texto

Os blends especiais da marca francesa agora estão na novíssima loja paulistana, que em breve terá até sorvetes

Os bombons da Valrhona: jóias da primeira loja-lounge da marca fora da França
Divulgação
Os bombons da Valrhona: jóias da primeira loja-lounge da marca fora da França

A Valrhona escolheu São Paulo para abrir sua primeira loja-lounge fora da França. Não é pouco. Trata-se da maior fabricante de chocolates premium do mundo, desde 1922 presente em mais de sessenta países e com sede no vale do Rio Rhône, ao sul da cidade de Lyon. Em janeiro de 2010, São Paulo já havia recebido um quiosque da marca no Shopping Iguatemi, com a promessa de que o novo espaço viria meses depois e ocuparia um imóvel de 200 metros quadrados nos Jardins. Chegou a hora. A Valrhona está instalada na Alameda Lorena.

Se para alguns a escolha da Valrhona parece intrigante, para os representantes da marca, no Brasil e no exterior, os motivos foram bem claros. Quando ainda era executivo do Banco de Boston, Fábio Bonchristiano desenvolveu um plano de negócios provando que o investimento era seguro -- o Brasil é grande consumidor de mercado de luxo e São Paulo o maior PIB do país --, os CEOs internacionais ouviram de Alain Ducasse que o futuro dourado da gastronomia está escondido por aqui e, ainda, o berço do cacau é em grande parte verde e amarelo.

A troca é promissora: a gastronomia brasileira empresta seus ingredientes exuberantes a um dos melhores chocolates do mundo e apreende as qualidades e repertórios da marca. O termo chocolate premium significa que a Valrhona é uma das poucas fabricantes do planeta que faz chocolates realmente especiais a partir da escolha criteriosa dos terrenos de plantio e das sementes de cacau, cujo teor varia de 33% a 40%, para o ao leite, e de 64% a 85%, para o amargo. São produtos de origem, com sementes colhidas em fazendas de países como Venezuela, Madagascar, Equador e República Dominicana.

Ganham os ávidos por chocolate com algum dinheiro no bolso -- os preços, assim como os produtos, não são exatamente adocicados.

Suflê de chocolate premium da francesa Valrhona: harmonizações exclusivas para a loja de São Paulo
Divulgação
Suflê de chocolate premium da francesa Valrhona: harmonizações exclusivas para a loja de São Paulo

A loja brasileira terá até sorvete

Os frutos da parceria da Valrhona com o Brasil já amadurecem nas prateleiras dos Jardins. Sobremesas de chocolate com abacaxi, manga ou maracujá podem, segundo Jean Luc Grisot, CEO mundial da Valrhona, despertar dúvidas existenciais em quem parar ali para degustá-los. “Perguntas como ‘que sabor é esse?’ vão exercitar a curiosidade e o paladar do brasileiro.” Viagem de chocólatra? Parece que não. Até porque, segundo ele, “cacau não é um vício, mas uma necessidade”.

Devaneios à parte, a verdade é que, depois de provar algumas amostras do produto, qualquer teoria passa a fazer sentido. O Valrhona é, de fato, diferente de tudo que o mercado oferece no gênero. “Nossa ideia é fazer com que o público perceba as nuances do chocolate”, diz Christophe Henry. Para isso o CEO internacional recorre à moda das degustações. O produto deve, segundo ele, ser apreciado como  vinhos e cafés.

Dois endereços paulistanos, o Otávio Café e a Loja do Chá, desenvolveram harmonizações especialmente para a loja da marca. As cartas, super exclusivas, foram feitas para combinar com os produtos. É possível, por exemplo, beber um bom café e saborear chocolate numa charmosa mesinha de madeira, assistindo ao movimento da rua pela grande janela, ou, de maneira mais reservada, em confortáveis poltronas no andar de cima.

Os funcionários, selecionados, conhecem todos os produtos oferecidos e são bilíngues. Nada daquela confusão que marcou a inauguração do quiosque no Shopping Iguatemi – na ocasião, os atendentes eram nitidamente mais bonitos do que sabidos.

Mas a grande novidade que a loja paulistana traz são os sorvetes. Os produtos estão em fase de testes e, do Brasil, prometem conquistar o mundo. Outra surpresa são os bombons com frutas brasileiras, de fazer qualquer gringo sambar no pé. Ah, e os oito tipos que fazem sucesso na França -- como os de ganache com chocolate e pera, avelã com grapefruit e marzipã de pistache com kirsch -- no Brasil, só estão disponíveis no novo endereço.

Até os que acham chocolate enjoativo, geralmente acostumados às versões mais populares, vão gostar dos blends da Valrhona. As prateleiras derramam opções doces, salgadas, picantes, amargas. Os puristas podem escolher entre diversos tipos de barras (22 reais, 100 gramas), como a amarga Manjari (64% de cacau de Madagascar com notas vermelhas), a ao leite Jivara (40% cacau do Equador e da Venezuela), a branca Ivoire (75% de manteiga de cacau africano).

É comer, viver, se apaixonar.

Valrhona – Chocolate Lounge
Al. Lorena, 1.818, Jardins, São Paulo (SP). Seg/Sáb das 10h às 22h. Dom das 14h às 20h.
Tel. (11) 3068-8899


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.