Tamanho do texto

Coquetéis como americano, cardinale e god father ganham espaço em bares e restaurantes. Veja receitas

MiGComponente_C:undefined

" Pa pa l' americano / Pa pa l' americano / Pa pa l' americano ". Não importa sua idade, cidade onde mora ou tipo de lugar que costuma frequentar. Com certeza você já ouviu – várias vezes – o hit We No Speak Americano . A música, de batida frenética, é um remix da dupla de DJs Yolanda Be Cool & DCUP para o clássico do italian jazz, Tu vuò fa l'americano , de Nicola Salerno's – famoso também pela interpretação dos protagonistas no filme O Talentoso Ripley , de 1999. O que isso tudo tem a ver com bebida? Muito.

Qualquer consumidor mais atento percebe que os modismos nunca vêm sozinhos. Coincidência ou não, enquanto We No Speak Americano é tocada  exaustão, empresas que especulam tendências em gastronomia, como a Baum + Whiteman, de Nova York, apontam um forte revival da gastronomia italiana tradicional, inclusive dos drinques como o icônico negroni.

Os italianos tiveram importante papel nos anos de ouro da coquetelaria, entre 1860 e 1920. Com bartenders fugidos dos Estados Unidos, por causa da lei-seca vigente entre 1920 e 1933, muitos foram parar em bares europeus. Quando na Bota, perceberam um paladar peculiar que deveria ser atendido: sabores fortes, pouca fruta, bitters, nuances amendoadas, pomposas guarnições. Gim, Campari, amaretto, leques de laranja e cereja entraram em cena em muitos drinques, alguns com certa notoriedade fora da Europa, outros reconhecidos pela International Bartenders Association como coquetéis clássicos.

MiGComponente_C:undefined Considerado um aperitivo forte, o negroni esta no hall dos gostos adquiridos. Exceto para quem já é fã das bebidas amargas, não é no primeiro gole que se passa a apreciar a mistura de partes iguais de Campari, vermoute doce e gim.

Por isso não é de se estranhar que o negroni tenha um coquetel “irmão”, o americano , amenizado pela troca do gim por club soda. Este teria sido servido pela primeira vez em 1860 com o nome de Milano-Torino (pela mistura do Campari, de Milão, e do vermoute Cinzano, de Turim), no Gaspare Campari's Bar. Mas não muito depois foi apelidado de... “americano”. Como na música de Salerno's, a coquetelaria brinca com o gosto do italiano que prefere ser como os americanos – e beber tudo com soda. “Tu vuoi vivere alla moda/ ma se bevi whisky and soda/ po' te sente 'e disturbà. / (...) Whisky, soda and rock’n roll” .

Ainda que o gosto do brasileiro por coquetéis seja, de maneira generalista, muito mais inclinado para os drinques refrescantes feitos com frutas, mais adocicados e leves, aos poucos a coquetelaria italiana aporta por aqui. Negroni e americano sempre se fizeram presentes em cartas de estabelecimentos tradicionais – e, é preciso reconhecer, frequentados por um público mais maduro. Um deles é o paulistano Freddy , há 76 anos na cidade servindo gastronomia francesa clássica. Ali, além dos dois coquetéis à base de Campari, são servidos também o cardinale (feito com gim, vermute e, de novo, Campari), o god father (amaretto e uísque) e o potente gin and it, à base de vermute e gim.

Com uma proposta descontraída, o bar, rotisseria e restaurante Manuali, que abre suas portas ao público paulistano neste domingo (30), traz os clássicos italianos para um ambiente mais informal. Segundo a sommelière e chefe de bar, a jovem italiana Vanessa Scassellati, a ideia é mesmo apresentar esses drinques italianos – ao lado de outros standards da coquetelaria europeia. “São clássicos e muita gente nunca experimentou”, diz. O proprietário Bruno Manuali acredita no sucesso dos coquetéis, potencializado pela companhia do bufê de petiscos. “O cliente pede a bebida e ganha o direito de petiscar minipizzas e focaccias”, explica. Entre os italianos, a carta do bar contempla o gin and it, o americano e o negroni, todos com características ideais para abrir o apetite.

O bar BottaGallo , que também tem a Itália como inspiração e serve massas para compartilhar à mesa, oferece apenas o negroni dos drinques mais tradicionais. Mas sua carta tem uma vasta lista de coquetéis modernos com ingredientes italianos, como o vendetta martini (que leva suco de grapefruit, Apperol, vodca e folhas de manjericão), o toscana martini (limoncello, pera, vodca e xarope de gengibre) e o amaretto sour . Executados pelo barman Edmilson José Nogueira, que também fez os clássicos italianos fotografados para esta reportagem, eles chegam às mesas com apresentação mais moderna e pensados para agradar o conviva brasileiro.

No site da Billboard, conhecido termômetro para a música pop, o remix We No Speak Americano segue firme e forta na lista dos Top 100 e é considerado pelos editores do site como “um grande impulso para a carreira dos DJs”. Resta ver se o clássico negroni e seus pares reinventados nas mãos de mixologistas terão o mesmo êxito em mesas e balcões fora da Europa.


MiGComponente_C:undefined Americano
Receita da International Bartenders Association

Ingredientes:

30ml de Campari
30ml de vermute doce
Club soda
Casca ou rodelas de laranja para decorar

Modo de fazer: em um copo old fashioned com bastante gelo coloque as doses de campari e o vermute. Complete com club soda e mexa. Guarneça com uma casca ou fatia de laranja.



MiGComponente_C:undefined Amaretto sour
Receita do bar BottaGallo, em São Paulo

Ingredientes
60ml de amaretto
1 clara de ovo
25ml de limão siciliano

Modo de fazer: bata todos os ingredientes em uma coqueteleira sem gelo até ficar homogêneo. Em seguida, acrescente gelo em cubos na coqueteleira e bata novamente até que a mistura esfrie. Coe em copo tipo collins com gelo. Guarneça com dois gomos de limão siciliano.












MiGComponente_C:undefined Vendetta martini
Receita do bar Bottagallo

Ingredientes
30ml de suco de grapefruit
folhas de manjericão roxo
20ml de Apperol
50ml de vodca
casca de limão siciliano

Modo de fazer: macere cinco folhas de manjericão roxo na coqueteleira, acrescente todos os ingredientes e bata vigorosamente com gelo em cubos. Coe duas vezes e despeje em uma taça martini previamente resfriada. Decore com limão siciliano e folhas de manjericão roxo.










MiGComponente_C:undefined God father
Receita do restaurante Freddy, em São Paulo

Ingredientes

1 dose de uísque
1 dose e meia de amaretto
5 pedras de gelo
1 fatia de abacaxi
1 cereja

Modo de fazer: misture as doses de uísque e amaretto em uma coqueteleira com gelo. Bata e, em seguida, coloque o drinque em uma taça de martini. Decore com uma fatia de abacaxi e espete uma cereja.











MiGComponente_C:undefined Cardinale
Receita do restaurante Freddy

Ingredientes

25ml de gim
50ml de Campari
25ml de vermoute
6 pedras de gelo
1 fatia de maçã
2 fatias de laranja
1 cereja

Modo de fazer: coloque as doses de gim, campari e vermoute em um copo old fashioned e misture. Para o drinque ficar bem refrescante, coloque seis pedras de gelo. Após a mistura, enfeite-o com uma fatia de maçã e duas fatias de laranja, espetando ao lado das frutas uma cereja.



 Bebidas alcoólicas são proibidas para menores. Se beber, não dirija.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.