Tamanho do texto

Uma raiz peculiar que há milênios mostra suas virtudes para quem a consome

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=comida%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237535036611&_c_=MiGComponente_C

Acordo Ortográfico

Ele costuma ser mais próximo de quem adora comida japonesa, de quem está com dores na garganta ou de quem aprecia muito uma festa junina. Mas o gengibre não rende apenas um delicioso quentão. Há centenas de anos, pesquisas acadêmicas e a sabedoria popular vêm registrando que usar gengibre é bom para o organismo e para o paladar.

História
O gengibre (que tem nome científico Zingiber officinalis) é uma planta herbácea da família das zingiberáceas. Originário da Ásia, ele é conhecido na Europa desde os tempos mais antigos, tendo sido levado para aquele continente durante o período das Cruzadas. No Brasil, o gengibre chegou cerca de um século após o Descobrimento. Os indígenas, nessa época, o chamavam de mangaratiá ou magarataia. Hoje, o gengibre é cultivado principalmente nos litorais de Santa Catarina, do Paraná e no sul de São Paulo.

Características
A planta pode atingir mais de 1 metro de altura. Suas folhas verde-escuras nascem a partir de um caule duro, grosso e subterrâneo (o chamado rizoma, que é a parte utilizada de fato). Como planta medicinal, o gengibre é uma das mais antigas e populares do mundo. Suas propriedades terapêuticas vêm da presença de várias substâncias, especialmente de seu óleo essencial que contém canfeno, felandreno, zingibereno e zingerona.

Nutrição
O gengibre tem ação bactericida comprovada, poder desintoxicante e, muitos acreditam, também pode atuar no sistema nervoso e no aparelho reprodutor (daí ser visto em algumas culturas como afrodisíaco). Popularmente, o chá de gengibre, feito com pedaços da raiz fresca mergulhadas na água, é usado no tratamento contra gripes, dores de garganta, tosse, resfriados e até contra os efeitos da ressaca.

Banhos e compressas quentes de gengibre são indicados para aliviar os sintomas de artrite e dores de cabeça, além de diminuir a congestão nasal e cólicas menstruais. O gengibre é utilizado na Ásia desde a Antiguidade para a fabricação de xaropes diversos. No Japão, massagens com óleo de gengibre são tratamentos tradicionais e famosos para problemas de coluna e articulações, e na fitoterapia chinesa a raiz do gengibre é chamada de Gan Jiang e se mostra eficaz até mesmo contra a acne.

Como comprar
A produção no Brasil é pequena e quase totalmente enviada por exportação ao mercado europeu. Mesmo assim, é fácil encontrar o gengibre em grandes supermercados ou feiras livres. Na hora de escolher, basta optar por uma raiz de casca lisa e sem machucados, além de bem firme. Também é possível encontrar gengibre em pó, ótimo para bolos e biscoitos, em lojas de produtos naturais.

Armazenamento
Em casa, é importante conservar o gengibre longe da luz, porque a exposição ao sol ou à umidade favorece o aparecimento de mofo.

Congelar
Não é indicado congelar o gengibre fresco ou mesmo em lascas, pois ele pode perder muitos de seus nutrientes.

Dicas de mestre

- O hábito de mascar gengibre fresco é muito comum entre profissionais que usam a voz, como cantores e palestrantes. Ele ajuda a combater a rouquidão, entre outras coisas.

- Na medicina ayurvédica indiana, o gengibre é largamente utilizado. Trata, entre outras coisas, a obesidade, tendo também ação sobre doenças asmáticas, resfriados e rinite crônica.

- Chefs de cozinha veem no gengibre um símbolo de criatividade e versatilidade , pois ele se encaixa tanto em receitas doces quanto salgadas.


Leia mais sobre: gengibre

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.