Tamanho do texto

O funcionamento será interrompido por dois anos, para reflexão e trabalho, diz o chef Ferran Adrià

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=comida%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237538990305&_c_=MiGComponente_C

O restaurante El Bulli, "o melhor do mundo" segundo a revista inglesa "Restaurant Magazine", vai fechar suas portas para servir comida em 2012 e 2013. O anúncio foi feito pelo chef Ferran Adrià, considerado hoje o mais importante cozinheiro do mundo, durante o evento Madrid Fusión, em Madri, na Espanha.

Hoje, o El Bulli funciona apenas entre junho e dezembro e só para jantares. "Assim como decidimos reduzir os meses em que atendemos e fechar para o almoço, essa é mais uma decisão que vai definir o futuro do El Bulli", disse Ferran. O restaurante abre agora em 15 de junho e fecha em 20 de dezembro. No ano que vem, também deve funcionar normalmente, com o cardápio definido a partir de setembro.

Nos últimos dez anos, o menu do El Bulli mudou completamente a cada ano. E tanto o chef Adrià como seu disputado restaurante ficaram famosos por conta das novas técnicas apresentadas, chamadas durante algum tempo de "cozinha molecular" ou "cozinha científica". Fazem parte delas as esferificações, as espumas, o uso de nitrogênio para transformar líquidos em sólidos, e vice-versa, e outras técnicas que têm causado sempre um certo espanto, ou "confusão", como disse hoje Adrià.

Os dois anos em que o restaurante permanecerá fechado serão usados para "reflexão e trabalho, nada de sombras ou palmeiras", disse o chef. A ideia é continuar pesquisando e desenvolvendo com criatividade e novas técnicas, que definirão o que será do El Bulli a partir de 2014.

"Ainda não tenho ideia do que vai acontecer, vamos buscar um novo formato e compartilhar o que estivermos fazendo e criando. A única coisa que sei é que era impossível continuar como estava. Criatividade é algo muito sério, não é um jogo. Nunca tivemos tanta gente tão criativa em atividade como agora. Mas também por isso nunca foi tão difícil criar. Trabalhar 15 horas por dia, 365 dias por ano, e com criatividade por dez anos... Precisamos de tempo. Eu preciso de pressão para criar. Vamos continuar trabalhando com cozinha intensamente. Mas precisava também dedicar tempo à família. Merecemos um pouco de normalidade nas nossas vidas.

"Mas daqui a quatro anos vamos poder comer alguma coisa no El Bulli?", perguntou o chef Juan Mari Arzak, precursor dessa nova cozinha espanhola. "Claro, ou nada disso faria sentido. Mas não me pergunte como vai ser, porque não tenho a menor ideia. Vamos começar a trabalhar nisso a partir de amanhã", respondeu Adrià.

Há algum tempo, Ferran Adrià tem usado o palco do Madrid Fusión, um dos maiores eventos gastronômicos do mundo, para passar o seu recado sobre o que será o futuro da gastronomia espanhola para os próximos anos. Foi aqui que começou a troca de farpas com o também chef espanhol Santi Santamaria que, de amigo fiel, passou a criticar duramente as técnicas usadas por Adrià e a defender a cozinha espanhola mais conservadora.

Hoje, em sua apresentação pela manhã, Adrià rebateu as críticas de que os espanhóis não têm apresentado nada de muito novo nos últimos congressos de gastronomia. É como os festivais de rock. Os críticos de música não vão a todos eles. Se forem, vão ver coisas repetidas porque uma banda não muda completamente o repertório de um show para o outro, disse.

Veja também: como foi a apresentação de Ferrán Adriá no Madrid Fusión 2010

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.