Tamanho do texto

Saiba o que aconteceu com as sementes de papoula, ingrediente essencial para certas receitas que praticamente sumiu do mercado

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=comida%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237535094012&_c_=MiGComponente_C

Elas dão às receitas um tom aromático diferente e, mais que tudo, uma textura única. As sementes de papoula sempre foram usadas na culinária (principalmente no Oriente), ganharam ainda mais notoriedade uma década atrás e, agora, estão quase impossíveis de se encontrar. Tudo culpa da burocracia.

As sementes são utilizadas principalmente no preparo de cremes, tortas e diversas massas salgadas e doces ¿ como em diversas criações alemãs e austríacos, cozinhas clássicas para os doces com papoula. Na Índia, as sementes da papoula são bastante utilizadas como espessante, enquanto no Japão elas são misturadas a outras especiarias. O nome da espécie, Papaver somniferum L., remete a provocar o sono, uma referência às propriedades narcóticas da papoula.

Mas a fama de ter poderes alucinógenos, que muitas vezes precede a papoula, não se justifica quanto às sementes. Ainda assim, as dúvidas sobre a planta macularam o uso na culinária. Segundo a Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, só o cultivo da papoula (Papaver somniferum L.) é proibido, porque dá origem a entorpecentes como a heroína e o ópio.

Além disso, a agência informa que, ao contrário de boatos que surgiram no último ano, a importação, a comercialização e o consumo das sementes de papoula não estão proibidos .

O caso é que a semente de papoula não tem produção no Brasil. Portanto, a única maneira de a semente ser utilizada no país é mesmo por meio de sua importação, diz Marília Coelho Cunha, gerente-geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos da Anvisa. Para importá-las, no entanto, as empresas vêm tendo muita dificuldade.

As importadoras precisam acatar regras como a apresentação de um documento no qual conste que as sementes vêm de cultivos lícitos e provas de que se tratam de sementes sem capacidade germinativa, ausentes de entorpecentes e não-oriundas de apreensões.

O mal-entendido é o problema: a semente de papoula vem da mesma planta com a qual se produz o ópio ¿ mas a semente em si não é narcótica. Elas jamais poderiam ser usadas, assim, para qualquer fim entorpecente.

Dado o impasse, donos de restaurantes, docerias e mercados que antes embalavam ou somente vendiam o produto, ou utilizavam em suas receitas, estão tendo enormes dificuldades de obter as sementinhas. A maioria das receitas, agora, é feita sem as sementes, e acaba modificada ou mesmo retirada dos menus.

Foi o que fez a chef Carole Crema , na cadeia de restaurantes Wraps , que costumava usar o produto em receitas de smoothies e sucos. Não temos certeza sobre quando a importação será regularizada, então apenas suspendemos o uso, diz ela. No fim, em meio a papeladas e problemas de comunicação, perdemos nós, os consumidores que conheciam e apreciavam as inocentes virtudes das sementes de papoula.


Leia mais sobre: papoula

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.