Tamanho do texto

Nada de aparelhos sofisticados ou super adegas. Aprenda truques simples para servir vinhos em casa na temperatura certa

Gelar o espumante no gelo, pode?
Getty Images
Gelar o espumante no gelo, pode?
Quem já tomou um champanhe bacana na Europa certamente estranhou o fato de a bebida não estar estupidamente gelada. O mesmo deve ter acontecido com os que receberam um cálice de vinho do Porto friozinho, um tinto fresco. Teriam os sommeliers cometido erros tão grosseiros? Ou fora do Brasil esse serviço tem outras regras? Afinal, qual a temperatura correta do vinho? E como chegar lá sem super adegas ou equipamentos precisos e sofisticados?

“O engano começa quando aprendemos que o vinho deve ser servido em temperatura ambiente”, alerta o colunista especializado Didú Russo . A regra não está errada, resta apenas saber a qual ambiente ela se refere. “Se for a temperatura de uma cave na França, tudo certo. Agora, se for a de Goiânia, não”, afirma o perito.

Confira abaixo regrinhas básicas, que prometem deixar o brinde muito mais prazeroso. Mas não esqueça: “o importante mesmo é nunca deixar de tomar vinho” -- palavras de Gabriela Monteleone, sommelière dos restaurantes paulistanos D.O.M. e Dalva e Dito.

Brancos – 20 minutos em um balde com gelo e água são suficientes para ele chegar à temperatura correta. Depois, é importante deixá-lo fora do balde para o vinho não gelar demais. Se a conversa for longa, mais 10 minutinhos no balde são suficientes para a bebida voltar ao ponto.

Rosés – Os puristas dizem que o rosé deve ser bebido um pouco mais quente do que o branco. Para a maioria dos mortais, obedecer a regra dos brancos está de bom tamanho.

Tintos – Se o tempo estiver fresco e você sentir a garrafa geladinha, pode servir. Em dias de extremo calor, deixe-o em balde com gelo e água de 5 a 10 minutos.

Espumantes 30 minutos em balde de água com gelo, antes de servir, são suficientes. Mas diferente dos outros vinhos, os espumantes devem ficar no balde até a garrafa acabar. A única exceção é para champagnes safrados, que devem ser servidos em temperatura mais alta. Aqui, vale a regra de brancos e rosés.

Porto – Muita gente deixa o vinho do Porto no bar da casa, mas ele deve ser servido fresco. O ideal é guardá-lo na porta de geladeira e sempre fechado com a rolha. A medida vale também para os vinhos de sobremesa.

Truques para você se tornar um expert caseiro:

- Para gelar o vinho na geladeira, deve-se dobrar o tempo calculado para baldes com gelo e água. Lembrando que ele deve sempre ficar o mais longe possível do freezer.
- No balde, gelo e água devem envolver todo o líquido da garrafa.
- Não precisa de adega para guardar vinhos do dia a dia. Mas é importante deixá-los em local fresco, longe de luz e de produtos químicos.
- O vinho deve ser aberto antes de ir para o balde de gelo. Assim, ele vai respirar, evoluir e ficar muito mais aromático.
- Vinhos não devem ser levados ao freezer. A rolha fica ressecada e pode deixar resíduos na bebida ou mesmo liberar o acesso do ar. No caso de espumantes, além de a bebida correr o risco de ficar “choca”, a garrafa pode até estourar.
- Acrescentar sal ao balde de gelo acelera o resfriamento, mas o vinho pode se ressentir com a rapidez do processo. 
- Uma boa medida é botar o vinho aberto na geladeira por uma hora, e tirar 20 minutos antes de servir. Serve para tintos, brancos e rosés.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.