Tamanho do texto

Grupo de cardiologistas de Belo Horizonte prepara livro de receitas que não prejudicam o coração

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=comida%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237535110001&_c_=MiGComponente_C

Quando o assunto é alimentação saudável e boa para o coração, o senso comum costuma apontar para o verbo cortar: é preciso cortar o sal, o açúcar, a manteiga e tudo o que for uma delícia.

Existem, é claro, as correntes do equilíbrio e do bom senso. Baseadas em estudos científicos, elas aliviam o sacrifício ao mostrar como a combinação de exercícios físicos regulares com hábitos alimentares equilibrados ajuda a evitar corações partidos, entre outras razões, por saudade dos pratos preferidos.

Nem tudo é proibido. É assim que aquele pedaço de carne suculenta vai parar no prato de vez em quando (não tem milagre, não pode ser todo dia) escoltado por um belo risoto. Sem culpa. Costuma ser autorizada, também, uma dose de vinho tinto, cujas propriedades antioxidantes mais recentemente foram atribuídas também aos espumantes.

E assim a boa vida gourmet ganha aliados. É o caso dos médicos especializados na saúde do coração da confraria mineira Triplo C ¿ Confraria Chefes do Coração. Há alguns anos, o cardiologista Marcio Kalil e um grupo de outros seis colegas de Belo Horizonte se juntaram na tentativa de elaborar receitas saborosas e saudáveis.

Em comum, além da especialidade, está o apreço pela comida. Todos os pratos passam pelo crivo de uma nutricionista, que indica se a combinação tem as quantidades certas de nutrientes e gorduras. "É claro que todo mundo comete um pecado ou outro de vez em quando, mas é possível comer bem de uma maneira saudável", diz Kalil. O grande desafio da confraria é encontrar maneiras de substituir a gordura e manter o sabor e a cremosidade dos pratos.

Em 2010, os médicos lançarão um livro de receitas. Nesta reportagem eles compartilham algumas delas.

Entrada: rolinhos de salmão defumado com tilápia e salada de folhas
Principal: carré de cordeiro com purê de mandioquinha e molho de cerejas frescas
Sobremesa: musse com frutas cristalizadas



Sete passos para comer bem, sem prejudicar o coração

- Diminua o consumo de gordura saturada (carnes e leite, por exemplo)

- Enxugue a gordura trans da dieta. Ela está principalmente em alimentos industrializados, como bolachas, sorvete e salgadinhos. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a ingestão de dois gramas deste tipo de gordura por dia. Uma porção de batata frita não tem menos que oito gramas

- Aumente o consumo dos alimentos vermelhos, ricos em antioxidantes e flavonóides, que aumentam o bom colesterol (HDL ¿ Colesterol). Uma taça de vinho tinto é ótima para quem já tem o hábito de tomar. Se não tiver, troque pelo suco de uva

- Prefira azeite, soja, nozes e castanhas, alho, aveia, frutas, verduras, legumes, peixes e vinhos. É a poderosa dieta mediterrânea

- Diminua o consumo de carne vermelha e escolha alimentos frescos e simples, como frutas e verduras 

- Pratos com alto teor de gordura, como a feijoada, não estão proibidos, mas não devem se tornar um hábito semanal. Aumente o intervalo de tempo entre o consumo deste tipo de comida

- Não abuse de sal e de açúcar

Fontes: o nutrólogo e cardiologista do HCor, de São Paulo, Daniel Magnoli, e a nutricionista especializada em cardiologia Laila Ghtait.

Veja também
Livros trazem receitas boas para o coração

    Leia tudo sobre: receitas
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.