Tamanho do texto

Embora poucos saibam, a Toscana já foi dominada pelos franceses no ano de 1799, mas a baixa popularidade destes fez com que o povo os expulsasse

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=comida%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237535089015&_c_=MiGComponente_C

Anos à frente, em 1800, durante a Batalha de Marengo , eles voltaram a ocupar o território permanecendo por lá durante um bom tempo.
De certa forma, tais influências representaram positivamente o resultado excepcional dos vinhos produzidos nessa região, estando presentes em sua cultura desde a Idade Média.

Numa paisagem dominada pelas colinas, são as encostas as áreas escolhidas para o plantio das uvas destinadas aos vinhos de qualidade superior. Ali estão concentrados elementos naturais que favorecem o resultado final, principalmente, no tocante ao pleno amadurecimento das uvas, ocasionado por uma boa insolação. O clima é mediterrâneo , com invernos rigorosos e uma variação térmica entre dias e noites que é mais um fator positivo.

Ao pensarmos neste paraíso às margens do Mar da Ligúria, no centro-oeste da Itália, automaticamente uma uva nos vem em mente: a Sangiovese . Caprichosa e exigente, foi sofrendo variações genéticas dando origem a clones. É considerada uma das melhores uvas do país e, além de estar presente nos vinhos finos aqui produzidos, é a ÚNICA uva admitida pela DOCG ¹ a ser usada no Brunello di Montalcino e no Rosso di Montalcino.

Vale frisar que para os toscanos a regra básica para uma boa uva é ser tinta, portanto é difícil encontrarmos brancos com o mesmo nível. Ainda assim, as uvas brancas têm seu lugar, com um maior destaque para a Chardonnay, Malvasia, Sauvignon Blanc, Trebbiano e Vernaccia. Quanto às tintas, temos: a Cabernet Sauvignon, a Canaiolo, a Merlot e, claro, a Sangiovese.

Os três vinhos de maior destaque da Toscana são: o Chianti , o Brunello di Montalcino e o Vino Nobile di Montalcino . O emblemático e caro Brunello di Montalcino é hoje considerado um dos grandes símbolos da Itália, longevo, complexo, encantador, sendo o primeiro vinho italiano a receber a certificação DOCG¹.

Como já dito, é produzido com a Sangiovese, ou melhor, com um potente clone chamado Sangiovese Grosso ou Brunello, como é mais conhecida regionalmente, oriunda da parte sul da Toscana.

Outro destaque é um vinho doce batizado de Vin Santo , ou Vinho Santo, em decorrência de seu uso na celebração das missas.
A produção é demorada, pois é necessária a secagem das uvas Malvasia e Trebbiano por um período de 3 a 6 meses, em locais arejados e livres de umidade, concentrando açúcares e complexidade de aromas e sabores.

Itália : a cada nova parada, uma nova descoberta. Portanto, continue apreciando nossas viagens enológicas, tendo a certeza de que novas experiências sensoriais se abrirão a sua frente.

¹ DOCG ¿ Denominação de Origem Controlada e Garantida.

DICAS : Chianti Parri DOCG (Produtor: Fattorie Parri), Vin Santo (Produtor: Castello di Ama) e Brunello di Montalcino (Biondi Santi).

ATENÇÃO : O São Paulo Restaurant Week está em contagem regressiva, pois o evento acaba no próximo dia 13/09. Acesse o link http://www.toutduvin.com.br/news.html e confira a lista dos estabelecimentos participantes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.