Tamanho do texto

Além de ser o recipiente que comporta os vinhos, as garrafas também podem nos dar dicas sobre o que encontraremos ao abri-la, se mostrando assim uma grande aliada

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=comida%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237535063997&_c_=MiGComponente_C

Na hora de escolher um vinho, a imagem e porte da garrafa nos fornece indicativos a respeito do líquido que ali se encontra. Repare que exitem garrafas que parecem se destacar nas prateleiras, em meio às demais. Elas são maiores, mais robustas e pesadas, mas quando conferimos a quantidade de vinho que comportam é exatamente a mesma. Isso acontece porque os produtores tentam traduzir para este invólucro algumas das características existentes em seus vinhos.

A garrafa tem sido o recipiente ideal para o armazenamento de vinhos, desde séculos atrás, e é por sua causa que estes podem viajar por longas distâncias e ainda se manterem íntegros. Ela também é fundamental no processo de envelhecimento, posto que os tidos de guarda¹, que num primeiro momento se mostram duros, difíceis e sem qualquer expressividade precisam, indispensavelmente, das garrafas para envelhecer e desabrocharem todo seu potencial.

O champanhe é um exemplo clássico do papel fundamental da garrafa na produção. Neste caso, é dentro da garrafa que acontece a segunda fermentação e toda a classe e elegância de um dos vinhos mais célebres do mundo se desenvolve.

Modelos clássicos utilizados
As garrafas são compostas de quatro partes distintas: base, bojo/corpo, pescoço e gargalo (algumas possuem também ombros).
Existem varias modelos de garrafas que desempenham uma função diferente , portanto, são indicadas para tipos de vinhos distintos:

- Bordalesa (França) = de corpo reto e ombros são as mais comuns e utilizadas para a maioria dos tintos e alguns brancos;

- Borgonhesa (França) = com bojo/corpo mais largo e sem ombros, indicada para tintos mais delicados (Pinot Noir) e brancos;

- Renana (Alemanha) = sem ombros, mais delgada e alta que a borgonhesa, para brancos;

- Champanhe (França) = alta e robusta, para vinhos espumantes.
Claro que é possível encontrar milhares de outros formatos disponíveis no mercado, afinal, o produtor pode desenvolver um design exclusivo para o seu vinho. E, seja lá como for, vale lembrar que a preocupação e empenho em vestir uma roupa bonita denota uma preocupação com a boa imagem, sendo um item a se considerar.

DICAS: Chateau Puycarpin/Bordeaux-França (garrafa Bordalesa); Maycas Del Limarí/Chile-Valle de Limarí (garrafa borgonhesa) e Salton Evidence/Brasil-RS (garrafa Champagne).

¹ São vinhos de muita estrutura e lengevidade que ganham com o passar do tempo se tornando melhores quando mais maduras (mais velhos).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.