Tamanho do texto

Entre os dias 5 e 7 de Maio, aconteceu em São Paulo uma das feiras mais importantes para o setor vinícola, a Expovinis

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=comida%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237535074622&_c_=MiGComponente_C

A cidade se encheu de produtores vindos das mais diversas regiões do mundo que, além de sua participação na feira, tinham a intenção de conhecer e entender como se desenrola o mercado de vinhos no Brasil . Eles aportam na cidade com uma lista das principais importadoras, visitando uma a uma na tentativa de fechar uma representação.

Para os profissionais da área, tal evento é uma grande possibilidade de fechar negócios e ainda degustarem as novidades do setor. Para o consumidor final e uma festa, pois os vinhos são servidos para todos aqueles que queiram prová-los e, sem dúvida alguma essa se torna uma excelente alternativa para aumentar os conhecimentos gustativos.

Outra boa pedida é participar das palestras com degustações , que acontecem simultaneamente à feira e dentro do próprio pavilhão.

Estive num estande alemão que apresentava vinhos da região de Baden-Württemberg preparados com uvas sobre as quais nunca tinha ouvido falar, chamadas trollinger e lemberger. Devo dizer que são muito diferentes e super interessantes. O nome da linha é " Dyade52" que representa ¿ segundo o simpático alemão que me atendeu e com quem conversei bastante ¿ a união de seis regiões históricas que formam atualmente o estado de Baden-Württemberg : Áustria Anterior, Palatinado, Württemberg, Baden, Hohenzollern e Frânconia. Esse estado nasceu em 1952 através de um referendo popular. A linha Dyade deve estar à disposição para compras dentro de uns dois meses através da empresa Stuttgart Artigod finos que já conta com vários produtos e vinhos alemães. Procurem pela Hanna.

Outra passagem deliciosa foi pelos vinhos Madeira. Este é um tipo de vinho fortificado , assim como o Porto, que é produzido na Ilha da Madeira, em Portugal. Provei maravilhas como o Henriques e Henriques 5 anos Single Harvest 1995 e o excepcional Henriques e Henriques 10 anos Verdelho que, diga-se de passagem, é um dos melhores que já provei.

Fiz também uma grande descoberta ao me deparar com um licor de tannat de aromas intensos, sabores concentrados de calda reduzida de frutas e muito aveludado em boca. A indicação do expositor foi de prová-lo com creme de papaya. Hummmm! Só de imaginar essa harmonia de sabores minha boca se enche de água. Deve ser divino!

Bem, fique de olho nestas feiras do setor vinícola e participe. Tenho certeza de que irá se deliciar com elas e fazer ótimos contatos.

Dicas:  Trinity Sauvignon Blanc ¿ Nova Zelândia; Trumpeter Petit Verdot ¿ Argentina e Fitou Origines - França.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.