Entrando numa fria

Dez sorveterias do país contam quais são os sabores deste verão

Larissa Drumond, iG São Paulo |

Uma comidinha que dispensa apresentações. Confira nesta lista o que algumas das melhores casas de sorvete do Brasil preparam para derreter na temporada.

Belo Horizonte
Alessa Gelato & Caffè

Divulgação
Nas cubas, são 48 sabores feitos com creme de leite e frutas ou chocolate 80% cacau
Com a ideia de abrir um negócio, a arquiteta mineira Andrea Manetta começou a frequentar feiras de sorvete em todo o mundo durante um ano. Convidou, então, o mestre-sorveteiro Mario di Rauso, natural da cidade de Capua, no sul da Itália, para fabricar seus gelatos – como lá são chamados. A brasilidade das frutas é misturada ao método italiano utilizado para servir o sorvete: a dez graus negativos, dez a mais do que o comum no País.

Um dos novos sabores deste verão é o fruttisimo, uma espécie de smoothie, servido na taça de milkshake por 12 reais. O suco é batido com o sorvete de frutas à base de água, sem gordura, corante, nem conservante. Os sabores disponíveis são açaí, manga com gengibre, frutas vermelhas (morango, framboesa e amora), laranja com pêssego e frutas amarelas (laranja, manga e maracujá).

Nas cubas, apresentam-se ainda 48 sabores, produzidos com creme de leite e frutas frescas ou chocolate holandês 80% cacau.

Brasília
Saborella

O ex-comissário de bordo Bruno Kzam, nascido no Macapá, deu um tempo nos voos e decidiu aterrissar em Brasília de vez para abrir seu próprio negócio, administrado também pelos irmãos Homero e Fábio e por sua mãe, Eleanora. Quando percebeu que não havia sorvetes de frutas típicas amazônicas na capital brasileira, estudou gelateria em São Paulo e em Bolonha, investiu e, por fim, inaugurou a Saborella em 1995.

O conceito da sorveteria é ter matéria-prima exclusiva e de alto padrão para oferecer aos clientes, o que explica o pistache de Bronte - comuna italiana da região de Sicília -, as avelãs de Piemonte, as nozes de Sorrento e o cacau importado das ilhas africanas de São Tomé e Príncipe. A baunilha Bourbon vem diretamente de Madagascar e o extrato de menta, do Egito.

Nada leva conservante ou gordura. Nas 24 cubas, os sorvetes são preparados diariamente com frutas frescas da estação. Entre as setenta receitas, a tapioca é a campeã. As novidades da sorveteria brasiliense nesta temporada são cookies, oro doro (creme de baunilha com laranja e chocolate), Bellini (em homenagem ao coquetel, leva creme de pêssego e espumante), além de caramelo com coco queimado e castanha-do-pará, vendidas a 4 reais a bola.

112 Norte, bloco C, lojas 38/48, Brasília (DF), (61) 3340-4894 ou Casa Park Shopping, térreo, Guará, Brasília (DF), (61) 3361-8379


Florianópolis
Amoratto

Bioquímica e tecnóloga de alimentos, Rejane Zanotta abriu a primeira unidade da Amoratto em 1991, na Praia de Canasvieiras. Hoje, são quatro lojas com mais de cem sabores diferentes para refrescar os habitantes de Florianópolis e, sobretudo, os turistas argentinos que passam férias na cidade.

As estrelas da casa são os sorvetes de tapioca, de melão, de butiá – fruta típica da região sul –, banana com chocolate, doce de leite e torta de limão com marshmallow. As novidades aparecem conforme a sazonalidade das frutas, as datas comemorativas e as estações do ano. Neste verão, as novidades são os exóticos chocolate com pimenta e gengibre com nozes. Tudo é produzido sem gordura e servido em copos pequenos e médios, com uma ou duas bolas (5,50 reais e 7 reais respectivamente), ou grandes com três sabores (10 reais).


Fortaleza
Sorveteria 50 Sabores

Divulgação
A novidade do verão é o Obama: coco, cereais, doce de leite e chocolate com calda de caramelo
A antiga gelateria Tropical há dez anos é conhecida como Sorveteria 50 Sabores, administrada pela família de Neusa Vasconcelos desde 1975, quando foi inaugurada a primeira unidade das quatro existentes. Apesar do nome, hoje conta 110 gelados no cardápio e mais de duzentas receitas.

Os sorvetes mais procurados são à base de frutas in natura, como abacaxi, murici, acerola, sapoti, tangerina, graviola e cajá. No verão de 2010, dois sabores foram adicionados: Obama (coco, cereais, doce de leite e chocolate com calda de caramelo) e Charlote (chocolate com biscoito de cereais). Os sorvetes, cobertos com calda importada da Itália, não levam conservantes, nem gordura animal ou vegetal. Para se deliciar com uma bola, o preço é 6 reais e, com apenas mais um real, o cliente leva o dobro.

Porto Alegre
Di Argento

A gelateria Di Argento, uma das melhores da capital gaúcha, foi inaugurada em 2000 por Alvin Chu. Profissional da área industrial alimentícia, o proprietário sentia falta de uma sorveteria italiana artesanal, como as de São Paulo, em seu bairro.

Chu desenvolve sessenta sabores com consultoria dos fornecedores de ingredientes italianos, mas oferece diariamente apenas 24. Do total, 14 sabores são permanentes. Os dez restantes são trocados semanal ou quinzenalmente de acordo com a estação e com a demanda da clientela.

O verão no Rio Grande do Sul também é bastante quente, exigindo sabores mais leves e refrescantes. As novidades desta temporada são cupuaçu, manga, maracujá, espumante com limão ou com morangos. Tudo é produzido com frutas in natura ou congeladas, cacau importado da Holanda, além de bases e pastas da Itália. Os sorvetes são vendidos em porções de um, dois ou três sabores, custando 5 reais, 6,90 reais e 8,50 reais respectivamente. Para viagem, o quilo é vendido a 35 reais.

Rua Padre Chagas, 342, loja 1, Moinhos dos Ventos, Porto Alegre (RS), (51) 3395-4117


Recife
Santo Doce

Apaixonados por café, os irmãos Ana Flávia e Carlos de Melo abriram uma sorveteria em 2000 e incluíram no cardápio doces enriquecidos com a bebida. De três em três meses, a Santo Doce incorpora novidades no menu de sessenta sabores, fornecidos pela representante alagoana Bali, há mais de 20 anos no mercado.

A sorveteria, uma das melhores do Recife, mantém os tradicionais africano (chocolate meio amargo), coco (coco verde), café irlandês (com uísque e lascas de chocolate), limão com hortelã e canela (leite com conhaque e canela). Mas as inovações deste verão ficam por conta dos sabores leite ninho, torta de limão, pão-de-mel e amoras vermelhas. Tudo por R$ 35 o quilo.


Rio de Janeiro
Mil Frutas

Divulgação
A loja do Iguatemi oferece os sabores lavanda, capim limão e água de flor de laranjeira
Filha de mãe diabética, Renata Saboya aprendeu desde cedo que o melhor das frutas é o açúcar. Por ter vivido parte da infância em Salvador e em Belém, já conhecia o potencial dos sabores típicos do nordeste, como graviola, mangaba, cupuaçu e açaí. Renata é dona de nove unidades da Mil Frutas: sete no Rio de Janeiro – inclusive Angra dos Reis e Búzios – e duas em São Paulo, sendo a última recém-inaugurada, em outubro, no Shopping Iguatemi.

Os mais de 250 sorvetes não levam gordura hidrogenada, conservantes, nem corantes. Apesar de a clientela não dispensar sabores como goiabada com queijo, queijo com doce de leite, limão siciliano e chocolate, a maioria das composições segue a sazonalidade das frutas.

Todos os anos, a Mil Frutas traz sorvetes comemorativos de Natal, como rabanada e frutas cristalizadas. O especial de 2009 é o panetone – nunca feito antes. No verão de 2010, a estrela da gelateria é melão com gengibre. Mas quem quiser conhecer a nova loja do Iguatemi também poderá experimentar lavanda, capim limão e água de flor de laranjeira.


Salvador
Sorveteria da Ribeira

Em 1931, o italiano Mario Tosta criou a tradicional Sorveteria da Ribeira, em Salvador. Trinta e três anos depois, os sorvetes artesanais passaram a ser responsabilidade do espanhol José Lourenço Hermida, que aprendeu com o primeiro dono todos os segredos dos gelados. Em 2008, Francisco Carlos Ribeiro Lemos, fiel cliente, comprou a sorveteria para sua história e sua cultura não morrerem.

Os sucessos da casa são coco verde, tapioca e biribiri – frutinha azeda típica da região da caatinga –, produzidos pelo mestre-sorveteiro José Sales há vinte anos. Mas os atrativos para o verão baiano são torta de limão, sapoti, jamelão e jabuticaba. Também novidade é o Swing Bom, sorvete de abacaxi com vinho que leva o nome da música de Margareth Menezes. A cantora baiana, que frequenta a sorveteria, provou e escolheu o sabor que a homenageou.


São Paulo
Pâtisserie Douce France


Divulgação
Na fabricação dos sorvetes, nada de conservantes. Apenas frutas frescas são utilizadas
A produção e o desenvolvimento dos sorvetes da Pâtisserie Douce France, aberta em 2001, é responsabilidade do experiente chef francês Fabrice Le Nud. A pâtisserie vende macarons de glacê, bolos de sorvete, fruits grivés, trufas e, claro, sorvetes. Alguns sabores campeões, como o chocolate 70% cacau, nunca podem faltar.

Como uma casa de fabricação de doces artesanais e de pequeno porte, a Pâtisserie Douce France tem a flexibilidade de lançar novos produtos de acordo com as estações do ano. A goiaba de boa qualidade some do mercado por conta do excesso de chuvas; mas, por outro lado, aparecem o cassis e o damasco fresco. O estoque de matéria-prima da Douce France é reduzido. Na fabricação dos sorvetes, nada de componentes químicos, emulsificantes ou estabilizantes. Apenas frutas frescas são utilizadas.

Para adoçar este verão, Le Nud criou os bûches ouro preto (sorbet – espécie de sorvete à base de água, açúcar e frutas, sem adição de cremes e gorduras – de chocolate 70% recheado com sorbet de maracujá com base de biscuit de chocolate), cassis com pera (sorbet de cassis recheado com sorbet de pera com base de biscuit champagne), vanille e framboesa (glacê de baunilha recheado com sorbet de framboesa com base de biscuit chocolate coberto com merengue gratinado) e omelette norvegiène (sorbet de pera recheado com cubos de peras caramelizadas, com base de biscuit chocolate coberto com merengue gratinado).


Vipiteno Gelato & Caffè

Divulgação
Os mais de cem sabores da gelateria são assinados pelo chef francês Laurent Suaudeau
Servidos em taças, copos ou casquinhas, alguns dos mais de cem sabores assinados pelo chef francês Laurent Suaudeau dão espaço para as novidades do verão. Os sorbets de pitanga, mamão com maracujá, tamarindo, graviola, abacate, morango, frutas vermelhas, manga com cajá, mexerica decopon e iogurte com limão são bastante procurados. Mas as novidades da estação ficam por conta do doce de leite com brownie, torta de limão, torta de frutas vermelhas, marrom-glacê, fior di miele (mel de flor), azzurro (algodão doce) e pistache de Bronte.

A maior inspiração da gelateria está no mix de frutas brasileiras devido à variedade que o País oferece, sem deixar de acompanhar as tendências do mundo. Utilizando ingredientes importados da Itália, a Vipiteno apresenta também a Coppa Demoiselle, uma elegante taça com sorvete de doce de leite, pera, calda de gengibre decorada com chantilly e amêndoa. Os novos sabores são incorporados no cardápio de acordo com a receptividade do público e a estação.

    Leia tudo sobre: geladosorbetsorvetesorveteriaverão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG