Tamanho do texto

Você segue o mesmo cardápio da sua amiga magérrima, frequenta academia e não consegue perder peso? A saída pode estar numa dieta famosa, que equilibra as doses de vitaminas e minerais no organismo

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=comida%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237535063535&_c_=MiGComponente_C

Com defensores ferrenhos no círculo das celebridades, a dieta ortomolecular vem se destacando como um método possível para se alcançar o que todos (declaradamente ou não) desejam: um corpo de medidas equilibradas e disposição física invejável. Fora a silhueta enxuta, os efeitos da dieta parecem rejuvenescer alguns anos os seus adeptos. Cabelos fortes e brilhantes, pele viçosa e uma carga extra de energia são algumas vantagens obtidas, além do emagrecimento.

Você deve estar se perguntando: que milagre é esse? Na verdade, trata-se de uma re-educação alimentar um pouco mais complexa. Por definição, ortomolecular (orto = corrigir, equilibrar) significa ajustar os nutrientes no organismo. Ou seja, fazer uma correção dos excessos e carências de vitaminas e minerais.

Não se trata de uma dieta relâmpago, e sim de um tratamento que busca o ponto de equilíbrio, afirma Heloisa Bernardes, bioquímica, terapeuta molecular e autora do livro "O que a Dieta Ortomolecular Pode Fazer por Você". Se o corpo recebe os nutrientes necessários, faz bom aproveitamento e eliminação deles, é sinal de que tudo caminha bem, explica. Algumas pessoas, no entanto, não eliminam corretamente, sofrem com retenção de líquidos e prisão de ventre, por exemplo. Outras não absorvem bem determinados nutrientes, esclarece. Quando se ajusta esse desequilíbrio, há uma melhora no metabolismo e a perda de peso ocorre naturalmente.

Tudo começa com uma consulta minuciosa (que pode durar até duas horas), em que o especialista investiga os hábitos do paciente, registra as queixas e sintomas que podem indicar algum problema de saúde. Cada profissional segue seu próprio método, mas em geral, são feitos exames laboratoriais , de sangue, urina e fezes. Alguns pedem, ainda, exames específicos ¿ e de custo elevado ¿ feitos a partir da saliva e do fio de cabelo, capazes de detalhar a concentração de minerais e vitaminas no organismo.

Com as informações em mãos, o especialista prescreve uma dieta personalizada , baseada nos nutrientes que estão em falta, ou em excesso. Como nem sempre o organismo absorve o necessário da alimentação, entram em cena os suplementos nutricionais ¿ cápsulas manipuladas para tomar diariamente. São fórmulas que contêm minerais ionizados nas dosagens estipuladas pelo terapeuta ortomolecular, explica Heloisa. Entre eles, zinco, cromo, lítio, cálcio, cobalto, magnésio e dezenas de outros elementos.

O cardápio varia para cada pessoa, mas há um consenso em relação aos alimentos proibidos. Os industrializados, com excesso de sal, gorduras e conservantes químicos, e pobres em nutrientes vivos, são os mais condenados. Embutidos, refrigerantes, frituras e doces também estão na lista negra. Ingredientes frescos, como verduras, frutas e legumes, além dos alimentos integrais, entram de acordo com a necessidade. Se a pessoa é compulsiva por doces, se sofre de insônia, se tem disfunções hormonais, há nutrientes que são mais indicados para cada caso.

Um dos princípios do tratamento ortomolecular é a visão holística , que se preocupa com o todo. Leva-se em conta o indivíduo e não só a doença. Portanto, se a pessoa quer emagrecer, o profissional deve descobrir e se concentrar nas causas do excesso de peso. Em cerca de seis meses, em média, os resultados são notados na balança ¿ e no espelho. A mudança acontece em nível bioquímico. As células estão mais saudáveis, o organismo elimina melhor as toxinas e neutraliza os radicais livres, substâncias que aceleram o envelhecimento celular, diz ela.

E tem mais. O corpo funciona como uma engrenagem : se tudo estiver nos eixos, a fome excessiva deixa de existir. O organismo em equilíbrio não dá chance para ansiedade, estresse, retenção de líquidos, compulsão alimentar ¿ problemas que dificultam o emagrecimento. O retorno ao consultório também é variável, mas geralmente é de três a quatro vezes por ano, e o especialista costuma modificar a dosagem dos suplementos.

Heloisa esclarece, ainda, que o tratamento ortomolecular não tem a finalidade de curar doenças , e tampouco substitui os medicamentos alopáticos. A ideia é fortalecer o organismo para evitar possíveis distúrbios, buscando bem-estar e qualidade de vida. O corpo fala, dá sinais de desequilíbrio. O profissional especializado é capaz de fazer a leitura correta dessas informações e só então prescrever a dieta ¿ que deve ser única, como todo indivíduo.

Importante

Embora seja uma terapia regulamentada, a ortomolecular ainda não é reconhecida como especialidade médica. A dieta sequer tem o apoio da Abeso ¿ Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. "Simplesmente porque não há comprovação científica de sua eficácia", diz o médico João Eduardo Nunes Salles, diretor da Abeso.

"Ainda que o emagrecimento aconteça, não existem evidências, no campo científico, quanto a prática da reposição de nutrientes e sua relação com os radicais livres", completa. Discussão que pode levar anos para que se chegue a um veredicto.


Leia mais sobre: Dieta Ortomolecular

    Leia tudo sobre: dieta
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.