Tamanho do texto

Apesar do frio, ninguém precisa parar de tomar cerveja. Aprenda a escolher o tipo ideal para aquecer o corpo em dias congelantes

Os hábitos estão mudando e, aos poucos, brasileiros deixam de ver o vinho como sinônimo de bebida de inverno e a cerveja como o combustível oficial do verão . Mesmo assim, com as levíssimas pilsens liderando o consumo o ano todo, nunca é demais lembrar: existem cervejas que são muito melhores do que a loirinha gelada para os dias mais frios.

Difícil de imaginar? Não se lembrarmos que todos os países com grandes escolas de produção cervejeira têm temperaturas muito mais amenas do que as nossas e invernos bem rigorosos. O que os fãs da bebida fazem em dias frios é trocar os tipos mais leves pelos encorpados -- vale lembrar que a cerveja de inverno deve ser bebida em temperatura mais alta, entre 8 e 12 graus centígrados.

Em dias frios, prefira cervejas com maior teor alcoólico como a Flying Dog
Divulgação
Em dias frios, prefira cervejas com maior teor alcoólico como a Flying Dog
Se diante da prateleira de empórios e mercados a dúvida ainda pairar na hora de escolher seu rótulo para uma noite mais fria, aí vai uma boa dica: algumas marcas têm cervejas sazonais, adequadas especialmente para cada estação.

E nem é preciso ir longe. No cenário nacional, algumas fabricantes artesanais fazem suas sugestões para a época: a Baden Baden , de Campos do Jordão, lança oficialmente nesta semana sua Celebration Inverno (uma Doppelbock de coloração bem escura); e a Bamberg , de Votoratim, já disponibilizou no mercado a Weizenbock Dunkel e a Bock -- ambas saíram em edições bem limitadas e já estão esgotadas, mas, na próxima semana, a empresa bota nas prateleiras a Weizenbock Helles, outra opção para a estação.

Na hora da compra, o que deve ser observado é o teor alcoólico da bebida. “O que aquece o corpo é a sensação alcoólica”, afirma Alexandre Bazzo, mestre-cervejeiro da microcervejaria Bamberg . Segundo ele, o malte torrado, que produz tipos escuros, tem mais efeito mais psicológico do que qualquer outra coisa. “As pessoas associam muito a cerveja de cor escura com inverno, mas algumas são até refrescantes.”

Assim, basta escolher cervejas mais alcoólicas do que as pilsen , que tem entre 4 e 5% de álcool, para se aquecer no frio. Caso da Bock, com 7%; das que se assemelham aos vinhos, com 11 a 16%, como as Barleywine, inglesas ou americanas, tradicionalmente maturadas em barril de madeira e que acompanham bem sobremesas, ou as produzidas com método semelhante ao do champanhe; e das hiperalcoólicas, como alemã Schorschbock, com 40%, que se tornaram motivo de competição entre cervejarias mundo afora.

Cerveja que alimenta

Outro indício de que a cerveja cai bem no inverno é o corpo –característica menos precisa do que a simples medição de teor alcoólico, mas facilmente identificada pelo paladar. Entram no hall das encorpadas tipos que vão na contramão das super leves, servidas exageradamente geladas. “São aquelas que dão a sensação de saciedade. Depois de alguns copos, você se sente alimentado mesmo”, diz Alexandre. A própria bock surgiu para alimentar os monges na quaresma, período em que alimentos sólidos eram proibidos.

Mas atenção: nem o teor de álcool nem o corpo, no entanto, devem comprometer a “drinkability”, termo igualmente subjetivo que significa o quanto uma cerveja é prazerosa de beber. O importante, no fim das contas, é escolher a cerveja que lhe cai bem e ser feliz. Faça chuva ou faça sol.

Curta o página do iG Comida no Facebook

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.