Tamanho do texto

MARGIN-BOTTOM: 0cm1% de inspiração, foi assim que Belarmino começou a palestra mostrando as peças de um quebra-cabeça de atitudes e sentimentos que formam um restaurante de sucesso

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=comida%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237535039485&_c_=MiGComponente_C

Acordo Ortográfico


Para quem deseja montar um restaurante provavelmente uma das primeiras perguntas que deve vir à cabeça é: como fazer dele um negócio bem sucedido? Não é à toa que o auditório do Mesa São Paulo estava cheio com a palestra de Belarmino Iglesias , Como Montar um Restaurante de Sucesso .

Poucos restauradores saberiam falar com tanta propriedade sobre o tema. E quem não assistiu à apresentação dele deve estar pensando quais são esses quesitos essenciais para abrir um estabelecimento de vida longa.

A primeira resposta está numa característica nata: a garra . Depois, a paixão . E vindo de um Iglesias pode ter certeza que as duas andam de mãos dadas. Não há outra explicação para um empresário bem sucedido como ele acordar às 5 horas da manhã para conseguir solucionar todos os problemas do dia, sem deixar nada para trás. Tarefa que provavelmente não deve ser fácil para quem tem quatro restaurantes em São Paulo ¿ as duas churrascarias Rubaiyat , o restaurante de cozinha variada A Figueira Rubaiyat e o Porto Rubaiyat ¿ um em Buenos Aires ( Cabaña las Lillas ) e outros dois em Madri ( Baby Beef e Porto Rubaiyat ). Vale lembrar que todas essas casas são renomadas e as paulistanas já abocanharam vários prêmios da mídia especializada.

Para desvendar os segredos do êxito de uma empresa que atende 1 milhão e 300 mil clientes por ano, exemplificou com um quebra-cabeça em que todas as partes precisam se encaixar. Vamos ver quais são esses quesitos tão importantes:

O mix de sucesso
- O Ponto : buscar vias de fácil acesso e estacionamento. É importante ter em mente onde está o público alvo que se quer atingir;

- Ambiente acolhedor : a atmosfera não só física mas emocional do local conta pontos para o cliente se sentir bem. Lembrar o nome dos clientes é um gesto que soma muitos pontos positivos;

- Padronização : todas as casas da família têm uma mesma identidade visual, a mesma qualidade dos produtos e de decoração;

- Qualidade total do produto : é por isso que a família Rubaiyat mantém inclusive produção própria de gado bovino, suíno e de galinhas;

- Antecipar-se aos problemas : se vem uma crise econômica, por exemplo, é importante já ter em mente o que fazer para resolver lá na frente os seus impactos;

- Retorno imediato para solucionar reclamações : Para se ter uma ideia, somando todas as casas, a rede recebe por mês cerca de 250 reclamações. Imaginem que são cerca de oito por dia e que Belarmino responde pessoalmente pelo menos três;

- Rigor e ao mesmo tempo simpatia no atendimento : um cliente não pode levantar a mão por mais de cinco segundos, diz;

- Gestão macro e micro : apesar de todas as casas serem grandes, entre 60 e 140 lugares, a ideia é subdividir cada estabelecimento como se fossem vários restaurantes pequenos que compõe uma grande casa. Com esse pensamento para cada 12 mesas da Figueira, por exemplo, destinam-se nove funcionários para o atendimento. Entre eles está o maître, que tem autonomia para decidir sobre sua praça;

- Comprometimento dos funcionários : todos os empregados precisam saber fazer de tudo e todos precisam ser tratados com o mesmo grau de importância. O maior desafio é integrar todas as funções, diz. O meu gerente, por exemplo, tem que ter noções de como se prepara uma carne, qual seu ponto certo;

- Crescimento constante e atualização : o bom restaurador cuida do presente mas também se antecipar ao futuro, sempre atualizado com as novas tendências;

- Sistema de informação eficaz : na rede Rubaiyat tudo é informatizado para agilizar o atendimento ao cliente;

- Logística rigorosa : imaginem que casas desse porte não precisam ter um sistema operacional impecável.

- Visão para novos produtos e empreendimentos : atualmente a rede colocou a venda todos os produtos desenvolvidos na fazenda para que as pessoas também possam se deliciar com eles em casa;

Olho do dono : nenhum dos conselhos acima funciona sem a supervisão atenta do dono acompanhando todas as etapas e, muitas vezes, ele próprio solucionando problemas;

Legado de pai para filho
E de onde vem todo esse savoir-faire? Claro, uma parte foi herdada do pai Belarmino Iglesias, que veio para o Brasil com um dólar no bolso e ralou muito até conseguir chegar à posição de dono do Rubaiyat. Foi tão sacrificada sua trajetória que não queria para os filhos o mesmo destino de uma profissão que consome os finais de semana trabalhando enquanto a maioria das pessoas está em lazer.

Mas, como diz Belarmino Iglesias Filho, sua infância não foi brincar de carrinho de rolimã, mas se divertia empurrando o carrinho dos doces e bebidas da casa, ajudava no caixa, servia quando precisava. Enfim, acabou participando do negócio do pai desde a infância.

Um belo dia, meu pai muito cansado da vida de dono de restaurante, pensou em aceitar uma proposta de venda, conta Belarmino. Aí eu, que nessas alturas trabalhava como economista num banco, falei pra ele: se é assim deixa que eu assumo. E foi desta forma que tomou pé dos negócios desde 1982.

Há dois anos a família Iglesias recebeu novamente uma proposta tentadora para vender as casas da rede. Iglesias teve que pensar muito sério. Aí ele entrou reflexivo num dos restaurantes da casa em São Paulo e falou é isso que eu sei fazer, conta Ana, esposa de Belarmino. O que move ele é isso, completa ela. É por isso que Belarmino começou sua palestra falando que um negócio bem sucedido tem apenas 1% de inspiração. Os outros 99% é trabalho duro mesmo.

Leia mais sobre: Semana Mesa São Paulo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.