Tamanho do texto

Quando sobra um pouco de vinho na garrafa, sempre surge a pergunta: como guardá-lo? Na geladeira? Em lugares altos? Baixos? Temperatura ambiente? Nós fomos atrás das respostas

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=comida%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237535059237&_c_=MiGComponente_C

Preservar o sabor e a consistência de uma bebida requer condições propícias e ideais. Para acabar de vez com as dúvidas que rondam nossa cabeça, consultamos três especialistas no assunto: Lis Cereja, proprietária e sommelier da enoteca Saint VinSaint (SP); Egídio Silvestri, sócio do WinePro - Mundo do Vinho (SP) e Nelson Luiz Pereira, diretor de degustação da Associação Brasileira de Sommeliers (ABS ¿ SP) e sommelier no grupo Ville du Vin.

Os sommeliers também apontaram os erros mais comuns cometidos em casa, para que você evite desperdiçar momentos de prazeres líquidos.

O ideal é consumir toda a garrafa depois de aberta. Entretanto, sabemos que isto nem sempre é possível. Hoje, existem muitas pessoas que moram sozinhas e gostam de vinho. Mas, não é recomendável beber uma garrafa inteira de vinho todos os dias, avisa Nelson Pereira.

Segundo o diretor de degustação da ABS ¿ SP, existem três fatores principais que norteiam a apreciação de vinhos depois de abertos. O primeiro fator  seria a estrutura do vinho em questão: corpo, procedência, uvas, linha do vinho dentro do portfólio de cada vinícola, safra, dentre outros itens.

O segundo fator é o armazenamento deste vinho depois de aberto: adega climatizada, vacun-vin, temperatura ambiente, geladeira, período do ano mais quente ou mais frio, etc. E o terceiro, é o grau de exigência de quem vai beber este vinho depois de aberto: conhecimento sobre vinho, fatores psicológicos, contexto social do momento, variações de humor e temperatura de serviço.

Dessa maneira permanecem as dúvidas, principalmente se há diferença em como guardar os diversos tipos de vinho. A maneira de guardar os diferentes tipos de vinhos é a mesma, só vale ressaltar que os tintos são mais resistentes, preservando por mais tempo suas características, enquanto o branco é mais delicado e, portanto menos resistente ao tempo, revela Silvestri.

De acordo com Lis, a melhor forma de se guardar um vinho em casa depois de aberto, para conservação de aromas e paladar, é com o vacu-vin (bomba de vácuo que retira o ar de dentro da garrafa), e na geladeira. Mesmo assim, é recomendado que se beba o vinho em aproximadamente dois a três dias, pois a cada dia ele perde suas propriedades, alerta a sommelier.

Proprietária de enoteca, Lis também dá umas dicas sobre a melhor maneira de armazenar as garrafas. Se for guardado em temperatura ambiente, sem a utilização de uma adega refrigerada, escolha um lugar fresco, com proteção de luz, boa ventilação e que não seja nem seco nem úmido demais, afirma.

O que mais importa, na verdade, é se o lugar é muito quente, muito frio, muito úmido ou muito seco. Essas extremidades de "clima" é que danificam o vinho.

Existem poucas diferenças na armazenagem de tintos, brancos e espumantes . O processo deve ser o mesmo. Vacu- vin, rolha especial e geladeira. No caso dos espumantes, há uma rolha especial de armazenagem para espumantes, que pode ser utilizada no lugar do vacu- vin.

A diferença de armazenamento surge quando tanto o espumante quanto o vinho ainda estão fechados. O vinho deve ser mantido em adegas, longe de calor, luz e umidade. Já o espumante deve ser mantido na geladeira. O interessante é que depois de abertas as garrafas, os espumantes sempre devem ser mantidos em pé (tanto aberto quanto fechado) e os vinhos, após abertos, devem ficar deitados, na geladeira ou adega climatizada em torno de 15ºC. Mas nenhum dos dois devem ficar na porta da geladeira, nem mesmo com vacu-vin ou com tampa especial para espumante

Todos esses acessórios se encontram facilmente em lojas especializadas em vinhos.


Leia mais sobre: Vinhos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.