Tamanho do texto

O livro Fama à Mesa, de Fabiano Dalla Bona, trata de receitas e nomes de pratos inspirados em gente famosa e figuras históricas

Bolo Souza Leão, de origem pernambucana, já foi servido ao imperador Dom Pedro II e hoje é patrimonio imaterial do Brasil
Bruno Zanardo/Fotoarena
Bolo Souza Leão, de origem pernambucana, já foi servido ao imperador Dom Pedro II e hoje é patrimonio imaterial do Brasil

Depois de O Céu na Boca [Tinta Negra, 2010], o autor Fabiano Dalla Bona, professor e pesquisador, se mantém no terreno do paladar com o interessante Fama à Mesa , da mesma editora. Recheado de citações que vão de Albert Einstein a Andy Warhol, o livro trata de famosos que emprestaram, de alguma forma, seus nomes a receitas e a alguns drinques bastante conhecidos.

São cinco capítulos de temática gastronômica, todos com receitas e, lógico, explicação sobre o batismo. Primeiro, encontramos os pratos com nomes de homens famosos (inclui o filé à Oswaldo Aranha , a sopa Leão Velloso e o bacalhau à Gomes de Sá).

Depois é a vez das mulheres: Jeanne-Antoinette Poisson era uma humilde filha de açougueiros. Recebeu o título de marquesa (ou madame) de Pompadour aos 23 anos e, depois disso, tornou-se “a mulher mais poderosa do século XVIII”, por conseguir influenciar a política francesa de Luís XV.

Dizem por aí que aquelas antigas taças de champanhe, bem diferentes das usadas hoje em dia para servir vinhos espumantes, teriam sido moldadas em seus seios. “Não obstante sua beleza e propensão às artes, a jovem dona de belo corpo e trejeitos graciosos, compreendeu bem cedo que não conseguia aplacar os desejos de seu fogoso amante. Recorreu, então, a comidas afrodisíacas como lagosta, baunilha, trufas e ostras", relata Dalla Bona. Estas últimas foram batizadas de ostras alla Marquesa de Pompadour e a receita é simples, mas bem fina e explosiva:  para 12 ostras frescas, são usados dois cálices de conhaque, uma trufa branca (!) e pimenta branca a gosto. As ostras, abertas, são regadas com o conhaque. Por cima delas é deitada uma fatia de trufa branca e salpicada pimenta. Depois, é levar para assar até o conhaque evaporar e... servir com espumante gelado!

Receitas relacionadas ao mundo da música, como o frango atropelado preferido de Tom Jobim, e outras nomeadas por sua relação com escritores e gente com títulos da realeza, também são contempladas.

O frango atropelado é
Bruno Zanardo/Fotoarena
O frango atropelado é "composição" de Tom Jobim
O frango e o bolo - Selecionamos dois pratos citados pelo autor e pedimos ao chef Alex Caputo , do Atelier Gourmand , que os reproduzisse para esta reportagem.

O primeiro é o frango atropelado de Tom Jobim (foto ao lado) . Conta o autor de Fama à Mesa que este seria o prato predileto do músico. Inaugurada em 1979, a churrascaria Plataforma, de Alberico Campana, teve seu apogeu na década de 1980. Era frequentada por artistas, entre eles Tom Jobim, que batia ponto no restaurante em seus últimos anos de vida. Contam que ele se sentava à mesa e passava as tardes comendo, bebendo e fumando charuto. Seu prato favorito, inventado por ele mesmo, era o tal frango atropelado: a ave vinha cortada ao meio, desossada e grelhada na brasa. Trinta anos depois, a composição continua no cardápio. Della Bona diz que Tom Jobim não era pretensioso ao comer. Gostava de canja de galinha e tudo que fosse feito na brasa (e vivia brigando com o colesterol).

A outra fórmula é de um doce nordestino. Desde 2008, a receita do bolo Souza Leão é patrimônio Cultural e Imaterial do estado de Pernambuco. A pesquisa sobre o doce diz que ele entrou para a história pelas mãos da quituteira Rita de Cássia Souza Leão Bezerra Cavalcanti, esposa do coronel Agostinho Bezerra da Silva Cavalcanti, que foi dono do engenho São Bartolomeu, em Pernambuco – o doce é da época dos engenhos. Rita teria substituído alguns ingredientes europeus por produtos locais: o trigo deu lugar à mandioca, saiu a manteiga francesa e entrou a caseira. Em vez de leite de vaca, leite de coco.

O tal bolo teria sido servido à Dom Pedro II e à sua esposa, Teresa Cristina, em 1859. A tradição exigia que fosse exibido em pratos de cristal ou porcelana. Dizem que a receita original nunca foi divulgada pela família e que o temos hoje são apenas aproximações...

Frango atropelado do Tom Jobim

Rendimento: 2 porções
Tempo de preparo: 40 minutos

Ingredientes
4 peitos de frango cortados junto com a coxa e a sobrecoxa
Azeite de oliva extra-virgem para regar
Sal a gosto

Modo de preparo
Abra o frango e coloque um peso sobre ele, de maneira que fique achatado (ou "atropelado"). Tempere com sal, regue com óleo de oliva e asse na grelha, dos dois lados, deixando-o bem dourado. Uma dica é servir com batatas coradas.

Bolo Souza Leão

Rendimento: 12 porções
Tempo de preparo: 60 minutos

Ingredientes
18 gemas
6 xícaras de leite de coco
1kg de açúcar
1kg de massa de mandioca (massa puba)
2 colheres de sopa de manteiga
Sal a gosto

Modo de preparo
Com o açúcar, faça uma calda em ponto de fio, Junte a manteiga e depois as gemas. Em seguida acrescente a massa lavada, espremida e peneirada. Por fim, junte o leite de coco e uma pitada de sal.

Passe toda a mistura em peneira fina, várias vezes. Coloque em uma forma untada com manteiga e forrada com papel impermeável, também untado.

Asse em forno pré-aquecido a 160 graus, por 50 minutos. Desligue o fogo e deixe ali mesmo, descansando, até esfriar. Sirva polvilhado com açúcar de confeiteiro.



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.