Tamanho do texto

Aprenda um pouco mais sobre essa bebida que, apesar de ter alma estrangeira, mora no coração dos brasileiros

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=comida%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237535033526&_c_=MiGComponente_C

Quando, há mais de 100 séculos, o homem descobriu a fermentação, certamente não imaginou o presente que estava dando ao mundo: a cerveja. A partir da fermentação da cevada e do trigo, aprendemos a comer (pão) e a beber (cerveja). Não surpreende, portanto, a paixão mundial por esse tipo de bebida. A cervejaria mais antiga já descoberta data de 5.400 anos antes de Cristo, e foi encontrada no Egito. Na época, a preferência nacional era pelo tipo escuro e forte ¿ mas a sua base era igual à de hoje: a cevada fermentada.

Sabores de hoje

Segundo Cássio Piccolo, do Frangó (SP), em princípio não existe essa divisão de sabores. O que existem são características próprias de cada tipo de cerveja. Sendo assim, se a pessoa prefere cervejas mais leves, as indicadas são as alemãs (exceto as bocks), menos encorpadas e de baixa fermentação. Eu considero maravilhosas as cervejas a base de trigo e as pilsens da República Tcheca, diz Piccolo.

As cervejas belgas são mais robustas, frutadas. As inglesas têm como característica seu amargor. Os Estados Unidos produzem cervejas para todos os tipos de paladar ¿ e de bolso!

Estupidamente gelada?

Sobre a temperatura da cerveja, trata-se de uma questão cultural, explica Piccolo. No Brasil, principalmente no Nordeste, as pessoas bebem cerveja trincando, como um refresco ¿ e isso, na Europa, é considerado um sacrilégio.

Os europeus têm razão. A cerveja, quando geladíssima, amortece as papilas, e com isso a pessoa deixa de absorver várias nuances de seu bouquet. O ideal é a temperatura ambiente. No entanto, isso requer alguma atenção ¿ determinadas cervejas, tomadas muito quentes, perdem o gás, ficam chocas e sem sabor algum. Isso tudo, porém, são linhas gerais. Logicamente o que deve prevalecer é o prazer de quem bebe a cerveja, diz Piccolo.

Templos da cerveja

Cerveja não escolhe lugar ou classe social. Tem de todo tipo, em todo lugar, pra qualquer bolso. Porém, a degustação dessa bebida é um programa tão brasileiro que a cerveja já ganhou lugares próprios e especializados no assunto, em grandes centros como São Paulo e Rio de Janeiro.

O Belgium Beer Paradise, por exemplo, foi inaugurado em 2006 por Xavier Depuydt, cervejólogo belga. Com filiais no RJ e em SP e mais de 300 cervejas para se degustar, o espaço, diz Xavier, não é e nunca será um bar.

Segundo ele, é um lugar onde o cliente pode ler revistas e livros sobre cerveja e um espaço para fazer degustações. O cervejólogo ainda organiza uma série de degustações, no Rio de Janeiro e em São Paulo. O roteiro é exclusivo: destacam-se as cervejas de trigo, representadas por todas as marcas de cervejas importadas deste tipo à venda no Brasil, e as famosas abadia ales e trappist - só existem seis no mundo, e todas são belgas.



Em São Paulo, o pub do Drake´s Bar & Deck oferece mais de 160 marcas de cerveja para acompanhar os petiscos e os pratos preparados pelo chef Greigor Caisley. A decoração do bar transporta os clientes para os pub ingleses: mesinhas altas, iluminação contemporânea e paredes revestidas em madeira. As paredes de pedra são esculpidas com frases literárias em inglês e em português, e 78 gravuras náuticas escolhidas a dedo e trazidas da Inglaterra. Falando em navegação, o pub ainda dispõe de rede sem fio, para você navegar tranquilamente enquanto degusta sua cerveja.

Boteco tradicional

Quem gosta de cerveja tem obrigação de visitar o tradicionalíssimo Frangó, no não menos tradicional bairro da Freguesia do Ó. Eleito por seis vezes o Melhor Boteco de SP pela revista Veja SP, há 20 anos de existência, o Frangó é um oásis numa região fora da badalação da noite paulistana.


Abrigado num casarão do século 19, com vista para a pracinha da igreja, a decoração é toda rústica, com destaque para o belo mobiliário e relíquias que cobrem as paredes.

O Frangó oferece 220 tipos de cervejas e cinco tipos de chopes importados, além das boas marcas nacionais. Na dúvida, peça um menu degustação, com dez rótulos de cervejas e uma de chope. Os acompanhamentos também valem a viagem: não deixe de experimentar a maravilhosa coxinha.


Frangó: www.frangobar.com.br
Drakes Bar & Deck : www.drakesbar.com
Belgium Beer Paradise: www.beerparadise.com.br


Leia mais sobre: cerveja

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.