A primeira taça de Paul Hobbs

A trajetória de um dos mais importantes enólogos dos Estados Unidos começou com um copo de Château D'Yquem, o melhor vinho de sobremesa do mundo

Viviane Zandonadi, iG São Paulo |

Divulgação
Paul Hobbs à frente de um de seus vinhedos na Califórnia: o primeiro gole foi aos 16 anos

Noite de inverno nos Estados Unidos, 1969. Em uma fazenda no estado de Indiana, estão todos à mesa. O pai, a mãe e os onze filhos. É quando o pai despeja nos copos mais bonitos da casa uma bebida diferente. Paul Hobbs tinha 16 anos. Era o segundo mais velho da prole e também a pessoa que mais seria afetada por aquela experiência.

É bom explicar que naquela casa drinques alcoólicos sempre foram proibidos pela mãe, cujo irmão morreu em um acidente depois de tomar muitas cervejas. Só que na noite em questão todos provaram o líquido dourado, doce e licoroso trazido à mesa pelo pai. Numa espécie de degustação às cegas, foram convocados a comentar a bebida. A mãe sentenciou: é um maravilhoso e sofisticado suco de frutas.

Ela estava enganada.

A primeira taça da vida daquelas crianças, e da vida de Paul Hobbs, foi de Château D'Yquem - considerado o melhor vinho de sobremesa do mundo, e um dos mais caros também. Depois daqueles goles preliminares, a vida na fazenda nunca mais seria a mesma. E Paul Hobbs acabaria convencendo o pai a plantar vinhas para incrementar os negócios da família.

Muitas safras depois, Hobbs tornou-se um dos maiores nomes do vinho na Califórnia, estado americano responsável por levar o novo mundo ao mapa dos tintos e brancos do planeta. Além de fazer e vender os próprios vinhos, ele também é consultor de trinta clientes no Chile, na Argentina, na Hungria, na França e nos Estados Unidos.

Hobbs mora na Califórnia, mas sua segunda casa é Mendoza, aos pés da Cordilheira dos Andes, na Argentina. Viaja para a América do Sul pelo menos cinco vezes por ano e tem uma relação especial com o continente. Foi aqui que cresceu sua única filha, Agustina, hoje com 15 anos. "O segundo vinho mais importante da minha vida, depois do Château D'Yquem, é o Cuvee Agustina que batizei em homenagem a ela", conta. Trata-se de um pinot noir californiano, oriundo dos vinhedos de Lindsay Estate, propriedade de... Paul Hobbs.

Em sua última passagem pelo Brasil justamente para exibir os vinhos que produz na Califórnia, e que levam seu nome no rótulo, o enólogo Paul Hobbs conversou com o iG São Paulo. Falou um pouco da sua trajetória e sugeriu dois breves rankings com destinos de viagem para quem deseja pesquisar in loco sobre tintos e brancos. 

Bebidas alcoólicas são proibidas para menores de 18 anos. Se beber, não dirija

    Leia tudo sobre: vinhos; bebidas; paul hobbs

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG