A ostra é nutritiva e (quase) inofensiva

Rico em vitaminas e minerais, o molusco só pode ser consumido fresco se estiver vivo. Faça o teste pingando gotas de limão

Larissa Januário, especial para o iG São Paulo |

Getty Images
Quando estão no seu estado mais fresco, as ostras são ricas em vitaminas A, B e D
Quando estão no seu estado mais fresco, as ostras são ricas em vitaminas A, B e D, com altas quantidades de ferro, fósforo, cálcio, selênio e zinco. “Deste último vem a fama de que o ingrediente tem poderes afrodisíacos, já que o zinco teoricamente aumenta a produção de testosterona nos homens”, diz a bióloga Cláudia Dardaque. Mas os efeitos não são cientificamente comprovados. Geraldo Eduardo de Faria, presidente da Sociedade Latino-Americana de Medicina Sexual, diz que não existe nenhum estudo que comprove a relação do zinco com a atividade sexual dos homens, nem mesmo com o nível de produção de testosterona. "Isso é uma uma lenda popular apenas".

Noves fora, no Brasil o Ministério da Pesca e Agricultura e os estados produtores são os responsáveis pelo certificado de qualidade e origem dos moluscos e são obrigados a prezar pelo controle sanitário. Para produzir e distribuir as ostras, é preciso ter o SIM (Sistema de Inspeção Municipal), o Sisp (Sistema de Inspeção Estadual) e o SIF (Sistema de Inspeção Federal), todos emitidos pelo Ministério.

Esse controle é necessário porque tanto as ostras cultivadas, como aquelas apanhadas na costa da forma tradicional podem ser fontes de doenças como hepatite A, salmonella ou disfunções intestinais mais brandas. 

É raro encontrar ostras vendidas diretamente ao consumidor final em supermercados e peixarias. Mas algumas dicas ajudam clientes de restaurantes e comerciantes:

Conheça o fornecedor: procure saber se ele obedece às regulamentações governamentais. Se possível, visite a fazenda e veja como é feito o cultivo da ostra

Na hora de comer: a ostra fresca, para ser consumida crua, deve estar viva e ter cheiro de água do mar

Observe: a ostra deve sempre ter água no interior da concha, ela deve estar pesada, e não seca

Movimento: seres vivos reagem a estímulos. Com as ostras não é diferente. Ao ser tocada ou receber gotas de limão, ela deve contrair-se. Além disso, a ostra viva abre e fecha a concha em intervalos regulares

Validade: depois de morta, a ostra resiste por no máximo quatro dias na geladeira, a uma temperatura entre quatro e oito graus. Viva, ela pode resistir entre sete e 14 dias em temperatura amena. Lógico que com o passar do tempo ela perde em sabor e textura como qualquer alimento perecível

    Leia tudo sobre: ostrasfrutos do mar

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG