Como não fazer feio no restaurante

Posso comer a decoração? Para que serve a água que vem com o café? Que talher usar primeiro? Respondemos essas e outras dúvidas

Roberta Malta, iG São Paulo |

Divulgação
Quanto talher! O que eu faço com isso tudo?
Quem não gosta de comer em restaurantes bacanas? No aniversário de casamento, para comemorar os meses de namoro, naquela data querida ou em um dia qualquer. Não importa o motivo, é sempre gostoso ir a lugares bonitos e provar pratos diferentes. Antes de aceitar o convite, porém, muitas vezes aparecem uns medinhos. “E se eu errar o talher? E se eu comer o enfeite da sobremesa? E se eu não souber me comportar?” Calma. O iG Comida fez um pequeno guia para ajudar você aproveitar sua visita ao máximo. Agora, se tudo der errado, não precisa ficar com vergonha nem perder o humor. Cometer pequenas gafes à mesa é normal. Acontece nas melhores famílias.

CURTA O IG COMIDA NO FACEBOOK E SIGA NO TWITTER

Talheres, copos e tais
- Se a mesa estiver lotada de talheres, nada de pânico. Comece sempre de fora para dentro. Você só precisa saber disso. Caso você não peça entrada, por exemplo, o garçom vai retirar o garfo e a faca reservados para este fim. Então, não se preocupe. Os que ficam na frente do prato são para a sobremesa, e os de peixe têm formato diferente.
- O prato de pão é o que fica à sua esquerda, os copos, à direita. Se o jantar for em família e você se enganar, tudo bem. Mas se for de negócios, fica chato beliscar o brioche do chefe.
- Se pedir um vinho e o garçom der a rolha na sua mão, apenas confira se a mancha de vinho está levemente espalhada, indicando que a garrafa estava deitada (a posição correta para se guardar um vinho). Mas não precisa cheirar a rolha. Depois, ele vai servir um pouquinho para você, ou para quem escolheu o rótulo, provar. Se estiver tudo certo, apenas dê um sinal afirmativo para quem o serviu.

Leia mais sobre vinho aqui

- Quando tem um guardanapo de pano e um de papel na mesa, o segundo é para tirar o batom. O de pano deve ficar dobrado, no colo. Não se preocupe que até os restaurantes mais chiques oferecem o tipo babador se a comida for daquelas que respingam. Você não vai se sujar.
- Não têm palitos na mesa? Não mesmo. É considerado falta de educação limpar os dentes na presença de outras pessoas. Se a situação for critica, vá até o banheiro e tire o pedaço de comida que está incomodando. Muitas casas têm fio dental, enxaguante bucal e até escova de dentes disponíveis.
- O gancho de metal ao lado da mesa é para pendurar a bolsa. Mas o garçom ajuda você a encontrá-lo e a usá-lo de maneira correta.
- Se na mesa houver um deficiente visual, não é necessário ler o menu em voz alta. Solicite o cardápio em braile. Todo restaurante tem um – ou, pelo menos, deveria.

Leia também:Como saber se o restaurante é bom (antes de comer)

Divulgação
Quanto talher! O que eu faço com isso tudo?
É ou não é para comer?
- Tudo o que vem no prato é, em tese, comestível. Até as flores laranjas, roxas ou amarelinhas podem ser comidas e, provavelmente, dão um toque especial ao prato que você pediu. Então, nada de separar a decoração no cantinho. A  menos, claro, que não esteja gostosa.
- Muitas vezes, o cafezinho é servido com uns pauzinhos marrons. Isso não é chocolate nem deve ser comido. É canela, e faz as vezes de colher. Mexer o café com ela deixa um cheirinho bem gostoso na bebida. Vale experimentar.
- Existe uma toalhinha de mão em formato de cápsula, que parece um marshmallow. Ela é servida, geralmente, quando acabamos de comer algo com as mãos, como mexilhões. Vêm junto com um bule e se abrem em contato com água. Pode até dar vontade de comer, mas não são nada saborosas.
- Outros pratos, como coxas e costelas, próprios para comer com as mãos, vêm acompanhado de um recipiente com água de lavanda, com algumas gotinhas de alfazema ou limão. Não é parar beber e sim para limpar os dedos, que ficam cheios de gordura.
- A água com gás que vem com o espresso serve para limpar o paladar. Portanto, deve ser bebida antes do cafezinho.

Leia mais sobre café aqui

- Alguns menus degustação são entremeados por sorbets, tipos de sorvete próprios para tirar o gosto de um prato da boca antes de servir o seguinte. Pode comer o docinho -- que, aliás, é bem pouco açucarado. Sua sobremesa não chegou antes da hora.

Leia também: Profissão garçom: o principal é gostar de gente

Ajuste o pedido ao seu paladar
- Gosto é pessoal. Então, é importante saber que carnes ao ponto, em geral, são rosadas. O mesmo serve para hambúrgueres. E as massas e risotos costumam ser servidas al dente, ou seja, mais durinhas. Se quiser diferente, explique ao garçom. A maioria dos lugares vai atender seu pedido sem problemas.

Leia também: No restaurante: será mesmo que o cliente tem sempre razão?

Não existe almoço grátis
- O couvert é sempre cobrado, e a maioria dos restaurantes estampa o valor desse serviço no cardápio. Se você não quiser aceitá-lo, não tem problema. Na hora que o garçom chegar com o cestinho de pão ou coisa que o valha, diga a ele: “não vamos querer o couvert”. Agradeça e pronto.
- Alguns restaurantes servem uma entradinha, chamada de amouse bouche, antes de você pedir a comida. Esse miniprato é parte do couvert e, se você pediu esse serviço, pode aceitar sem susto: ele está incluído no preço.
- Muitas casas costumam receber o cliente com uma taça de vinho espumante. É uma delícia, mas não é cortesia. E o garçom nunca fala espontaneamente quanto ela custa. Lembre-se: nunca é feio perguntar o preço de nada. Também não há problema nenhum em recusar coisas que não foram solicitadas. Faça isso ou simplesmente aceite o agrado. Mas saiba que ele vai aparecer na conta.
- Café também é cobrado. Os docinhos que vem junto, não. Estão incluídos no preço do café ou chá.
- Há restaurantes que deixam uma garrafa de água na mesa, fechada. Não é de graça. Vale consultar o preço e lembrar que as importadas são mais caras. Diferente daqueles jarros abertos que também chegam sem serem solicitados. Esses contêm água filtrada ou da torneira e, sim, são de graça. 

Leia também: Pratos caríssimos e por que eles custam tanto
E mais:Lei que visa regulamentar serviço de couvert gera discussões

Prato dividido nem sempre custa a metade do preço
- Alguns pratos (entradas, principalmente) são pequenos demais para serem divididos ou preparados de um jeito que tornam o reparte impossível – como transformar em dois, por exemplo, um ovo mollet, servido fechadinho? Nesses casos, o melhor é fazer o pedido e avisar ao garçom que vão compartilhar a comida. Ele trará talheres duplicados e colocará o prato no centro da mesa para vocês beliscarem. Atenção: isso não é feio e nem pega mal.
- Algumas casas dividem pratos, mas não seu valor ao meio. Não é incomum que sirvam, sim, a comida em duas porções, mas podem cobrar até 75% do valor original do prato.

Como agir no restaurante japonês
- A toalha úmida é para limpar mãos. Se o dia estiver muito quente, não feio passá-la também no rosto.
- Aquela bolinha verde que vem nas barcas de sushis e sashimis é wasabi, um condimento bem ardido. Serve para passar no sushi ou dissolver no shoyu.
- Nem todo mundo sabe usar pauzinhos, os hashis. É importante saber que comer sushis com as mãos não é feio, pelo contrário, é hábito de iniciados. Há ainda a opção de pedir hashis com elásticos, que estão ali para atender quem tem menos habilidade com eles mesmo.

Veja o infográfico:
 Comida japonesa sem mistério, e nunca mais faça o gringo no restaurante

Veja também: Como fazer acabamento de restaurante nos pratos do dia a dia

Leia tudo sobre: dúvidasrestaurantedicas

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG