Comidinhas da sorte

Por Larissa Januário, especial para o iG São Paulo

compartilhe

Tamanho do texto

Sementes de romã, lentilha e outros rituais gastronômicos da ceia de Ano Novo

Acredite se quiser: comer sementes de romã e guardá-las na carteira é promessa de riqueza ao longo do ano. Foto: Getty ImagesPeixe: purificação por causa da água e fertilidade em virtude de suas ovas. Foto: Getty ImagesCarne de resistência: animal é resistente e busca oportunidades, já que "fuça" para frente. Foto: Getty ImagesAs lentilhas incham e dobram de tamanho depois de cozidas: sinal de abundância. Foto: Getty ImagesUvas: festa e fartura. Foto: Getty ImagesCastanhas: resistentes às intempéries do tempo. Foto: Getty ImagesCordeiro: apelo religioso da purificação. Foto: Getty ImagesLouro: promessa de sucesso. Foto: Getty Images

Réveillon deriva do verbo francês réveiller, que significa revelar, despertar, acordar. “Para boa parte dos povos a virada do ano traz a intenção de renovação, de fechamento de um ciclo e início de outro”, explica Sandro Dias, professor de história da gastronomia do Senac. E, segundo ele, tanto no passado quanto no presente os rituais e as superstições envolvendo os alimentos são referências dessa transição.

"As comidas carregam a simbologia da fartura”, diz o escritor e antropólogo Raul Lody. Os grãos, por exemplo, remetem à quantidade e multiplicidade. “Arroz, lentilha, feijão, milho: todos, no imaginário popular, simbolizam a fertilidade”, completa Lody. O peixe também é um clássico na ceia de ano-novo. “Em diversas culturas ele faz alusão à partilha e purificação”.

CURTA O IG COMIDA NO FACEBOOK E SIGA NO TWITTER

São costumes seculares, difíceis de serem identificados em uma linha cronológica. O que se sabe é que seus significados nasceram ou da mitologia ou da tradição cristã, além dos ciclos naturais, como a época das colheitas. Isso porque muitos povos europeus cultivavam rituais pela fecundidade da terra e pela fartura de alimentos – afinal, em outros tempos não era nada fácil sobreviver a geadas, tempestades ou períodos de seca.

As tradições que inspiram os rituais gastronômicos do réveillon não contam, obviamente, com nenhuma comprovação científica. De qualquer modo, é difícil achar alguém que nunca tenha se rendido a uma das “simpatias”, mesmo que por pura diversão. Na contagem regressiva para a chegada do próximo ano, confira curiosidades sobre as comidinhas de ano-novo. Na dúvida, não custa nada tentar uma delas.

Peixes
“Eles simbolizam a purificação por meio de seu habitat, a água. Além de serem férteis e se reproduzirem graças a uma infinidade de ovas, os peixes quase nunca andam sozinhos”, anota Dias. “Quem os consome espera obter todas essas sortes”. O bacalhau, clássico nas ceias brasileiras, é uma herança da colonização portuguesa que, além da simbologia religiosa, durante muitos anos foi a base da alimentação lusa por ser barato e de fácil conservação nos períodos de estiagem. “Com o passar do tempo veio a escassez e ele passou a ser um peixe nobre, consumido em ocasiões especiais”. 

Leia também: como escolher, limpar e preparar peixes

Porco
Os porcos são animais polêmicos na história da civilização. Enquanto algumas culturas consideram sua carne impura, outras o tratam como animal resistente, parrudo e que busca oportunidades – já que "fuça" para frente. Por isso, é bem-vindo na ceia de ano-novo. “Os camponeses italianos fazem uma festança para celebrar mais um ano de trabalho. O pé de porco com lentilhas é um prato tradicional de boa sorte”, relata Dias. Segundo ele, os alemães também prezam a carne suína na virada e degustam costelinhas e joelho de porco com lentilhas e chucrute. “No México o forte é o menudo, sopa feita com miúdos de porco condimentados”.

Veja também: os segredos do tender

Lentilha e outros grãos
Eles trazem a expectativa da fertilidade na maioria das culturas. “São a base da alimentação na história da civilização”, diz Lody. O arroz, o trigo e o feijão alimentam nações por gerações. Para os orientais, o mais simbólico deles é o arroz, considerado o grão da vida. “Chineses, japoneses e indus consomem o arroz em diversas receitas na esperança de prosperidade”, afirma Dias. No caso da lentilha, diz a lenda que ela deve ser o primeiro alimento a ser ingerido na ceia para que não falte dinheiro e saúde durante o ano. Isso porque as sementes esverdeadas, da família das leguminosas, incham e dobram de tamanho depois de cozidas.

Confira: receitas com lentilhas

Romã, uvas e outras frutas
Repletas de sementes ou nascidas em cachos, elas trazem a ideia de multiplicidade e fartura. “A uva é nobre em muitas culturas. É a fruta que dá o vinho de Baco, o deus mitológico dos excessos, da fartura e das festividades”, explica Lody. A romã, por sua vez, carrega a simbologia religiosa. “Para os judeus, comer essa fruta no ano-novo judaico é questão de virtude e, ao comer algumas de suas sementes, o homem estaria reforçando suas qualidades". O peso religioso da romã também aparece no catolicismo. No dia de Reis, costuma-se comer algumas sementinhas e guardá-las na carteira para ter sorte e riqueza ao longo do ano”, descreve Lody. Para o escritor, as frutas também ganham espaço nas ceias devido à sazonalidade, como é caso do figo. “É natural que se busquem alimentos mais abundantes e acessíveis neste período. As frutas da estação pautam e alimentam as tradições”, completa.

Aprenda a fazer: torta de uva

Coxa de frango com molho de romã

Frutas secas e castanhas
Elas sempre estiveram associadas à fartura e à sorte por serem alimentos resistentes, possíveis de ser armazenados durante muitos dias para garantir a alimentação. "Nozes, castanhas, avelãs suportavam o inverno rigoroso no hemisfério norte e as frutas secas eram a forma mais eficaz de conservação durante os períodos de tempo ruim”, justifica Lody. Outro aspecto apontado pelo professor Dias diz respeito ao tom lúdico dos doces à base de frutas: "Ao comê-los na virada espera-se que se tenha um ano de igual doçura. Os judeus costumam degustar maçãs embebidas em mel, sem contar a infinidade de sobremesas de tradição ocidental”, completa Dias.

Confira receitas de pratos com castanhas

Cordeiro
As citações bíblicas comprovam o apelo religioso do cordeiro para os católicos. “É um animal considerado puro e, por isso, é permitido até mesmo no período da quaresma, em que os fiéis não podem comer carne vermelha ou de animais de sangue quente”, explica Dias.
Confira receitas com cordeiro

Louro
De origem greco-romana, o louro é símbolo de sucesso e vitória. “Ser laureado significa ser reconhecido. Os atletas gregos que venciam recebiam uma coroa de louros como prêmio”. Além disso, são folhas de uma árvore resistente e que dão frutos em bagas volumosas. Guardar umas folhas de louro na carteira na virada é promessa de sucesso e fartura ao longo do ano. 

Veja também: três receitas para aproveitar o que sobrou da ceia

Leia tudo sobre: ano-novoceiaréveillon

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas