Comida japonesa é mesmo light?

Muita gente abusa achando que essa culinária está liberada, mas não é bem assim...

Vladimir Maluf |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=comida%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237535073010&_c_=MiGComponente_C

Se você é daqueles fãs de comida japonesa, que sentam em um rodízio e acham que lá o pecado é menor, cuidado. Como em qualquer restaurante, as escolhas erradas podem deixar seu prato muito calórico e nada saudável. Porém, essa culinária oferece muitos benefícios, se você souber aproveitar seus pontos positivos, de acordo com a nutróloga Vania Assaly, membro da Associação Brasileira de Nutrologia.

O peixe é fonte de uma proteína magra e é rico em uma gordura saudável (Ômega 3). Outro ponto positivo dessa culinária é o uso de temperos com ações bactericidas e digestivas, como o gengibre e a raiz forte, diz Vânia que faz outros elogios. O arroz não é refogado com nenhum tipo de gordura, porém, não se pode esquecer que ele é rico em amido. E há, também, muitas preparações com vegetais e cogumelos ¿ excelentes para potencializar a imunidade, defende a nutróloga.

Porém, isso não significa que o consumo esteja liberado. A nutricionista Fernanda Scheer explica que a culinária japonesa pode não ser uma opção saudável se consumida em excesso ou se as escolhas não forem bem equilibradas. E aponta alguns itens que, em excesso, não são nada inofensivos.

Além da possibilidade de consumo exagerado do arroz, que é utilizado no sushi, o shoyo é rico em sódio, que causa retenção de líquidos. Esse molho pode ainda conter uma substância chamada glutamato monossódico, que é tóxica ao organismo se consumida em exagero. Há, também, as preparações gordurosas ¿ com cremes e frituras ¿ que devem ser evitadas.

A também nutricionista Mariana Fontana pede atenção ao consumo dessas receitas. Como tempurá, guioza, suhis fritos ou com cream cheese, que são mais gordurosos. Cuidado, também, com preparações como o yakissoba, que leva maisena e gordura no preparo do molho, esclarece ela que aconselha a fugir dos rodízios. O peixe é um alimento saudável, mas, em excesso, vai engordar.

Outro mito muito usado como desculpa para se esbaldar da comida oriental é dizer que os japoneses são mais saudáveis. De acordo com a nutricionista Manoela Figuiredo, não necessariamente. A diferenças étnicas e a genética devem ser consideradas. Não são somente fatores alimentares que influenciam no peso ou na saúde de cada indivíduo, afirma a especialista.

Veja a listinha de recomendações das quatro profissionais para curtir a comida japonesa sem errar.


Leia mais sobre: culinária japonesa

    Leia tudo sobre: alimentaçãocomidacomida japonesamitosverdades

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG