Caldos para “levantar” depois da folia

Por Marina Fuentes, especial para o iG São Paulo

compartilhe

Tamanho do texto

Logo após os exageros típicos do carnaval, nada melhor que um caldo reconfortante. Veja cinco receitas

No bar da Dona Onça, em São Paulo, o caldo de mocotó é incrementado com feijão branco e paio
Divulgação
No bar da Dona Onça, em São Paulo, o caldo de mocotó é incrementado com feijão branco e paio

Difícil imaginar carnaval sem algum tipo de exagero: muita bebida, muitas horas em pé, longos períodos sem dormir - mesmo se for só para assistir os desfiles pela TV madrugada adentro. Na hora de descansar o corpo, poucas coisas parecem mais bem-vindas que um bom caldo, que ajuda a hidratar, recompor a tranquilidade e a energia.

Veja abaixo algumas receitas selecionadas pelo iG Receitas que cumprem bem a missão de resgatar os foliões sem pesar no estômago - dá para tomar e correr pra cama. E a vida continua.

SIGA O IG RECEITAS NO FACEBOOK E NO TWITTER

Caldo de mocotó
É um clássico regional, muito consumido no Nordeste. Aqui ele ganha uma versão mais elaborada nas panelas de Janaína Rueda, chef do bar paulistano Dona Onça. Dica: para obter um melhor resultado, o ideal é utilizar um caldo de legumes feito em casa.

O caldo de piranha é comum no Norte
Divulgação
O caldo de piranha é comum no Norte

Caldo de piranha

Muito consumido no norte do País, onde o peixinho mordedor é abundante. Ainda que não seja muito fácil encontrar em algumas regiões do Brasil, vale a pena o esforço: é daqueles pratos chamado popularmente de “levanta defunto”. A receita também é da chef Janaína Rueda, do bar paulistano Dona Onça, que inclui a receita oportunamente no menu do Carnaval. Os foliões agradecem.





O caldinho de sururu é servido em copo
Divulgação
O caldinho de sururu é servido em copo

Caldo de sururu

Muito saboroso e barato, o vôngole rende um caldo dos mais revigorantes. Conhecido no Ceará como sururu, ele integra a culinária local em receitas como esta, revisitada pelo bar paulistano Pirajá. Na casa, ele é servido sem as cascas em um copo, mas no preparo caseiro pode ser feito com elas – o importante é fazer um bom pré-preparo antes, lavando bem as conchas e mantendo em uma bacia com água e um pouco de sal para que elas se abram e soltem a areia do interior. Para este formato, separe as conchas antes da etapa do liquidificador e depois devolva ao caldo já batido.



Caldo de camarão: típico de Santa Catarina
Divulgação
Caldo de camarão: típico de Santa Catarina

Caldo de camarão

A receita é de Santa Catarina e consta no livro Brasil: gastronomia, cultura e turismo, de Eva Ribenboim Steinbruch (Editora Bei). De sabor intenso, é um sopro de energia no fim da madrugada. Para um melhor resultado, faça o caldo de camarão em casa, fervendo as cascas do crustáceo utilizado na receita junto com uma cebola, uma cenoura e dois talos de salsão. A farinha de mandioca é opcional e entra para dar mais sustância ao prato.

Chawanmushi: receita de Jun Sakamoto
Divulgação
Chawanmushi: receita de Jun Sakamoto

 



Chawanmushi com azeite trufado

Se o Carnaval for em alto estilo, a “ressaca” também pode ser. Este caldo, prato tradicional da culinária nipônica revisitado pelo chef Jun Sakamoto, é um misto de sopa com gemada – mais revigorante, impossível! O azeite trufado entra como ingrediente para dar o toque diferenciado à receita, que integra o livro assinado pelo chef, O Virtuose do Sushi (editora BEI).


Leia tudo sobre: caldinhosreceitascaldo de mocotócaldo de sururu

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas