Tamanho do texto

Para além do Brasil, as comidas típicas na Alemanha, na Espanha, na França, na Itália, em Portugal e no México

O pernil de cordeiro assado e servido com um cozido de feijões brancos e tomates maduros é típico da Páscoa na França
Divulgação
O pernil de cordeiro assado e servido com um cozido de feijões brancos e tomates maduros é típico da Páscoa na França



O conceito da Páscoa surge com os judeus. Pessach em hebraico significa 'passagem'. "Da morte para a ressurreição, da escravidão para a liberdade, da recessão para a fartura, do inverno para a primavera", anota Sandro Dias, professor de história da gastronomia do Centro Universitário Senac. “Os costumes da Páscoa se mesclam e variam entre as nações de acordo com a cultura e a história local. Para os germânicos, por exemplo, o período marca a chegada da primavera e a vitória do sol, que também tem o conceito de renovação. Já os franceses comem cordeiro, um sacrifício pelo sofrimento de Jesus”.

Hoje o sentido mais difundido da Páscoa é o do cristianismo. O domingo marca o fim da Quaresma, período de restrição alimentar e até mesmo jejum para os ortodoxos. É quando se celebra a ressurreição de Jesus Cristo. E como a religiosidade por vezes pauta hábitos alimentares, a culinária de Páscoa varia com os costumes entre as nações, mesmo as cristãs.

Na Alemanha, Ostern

Na Alemanha, a Páscoa mescla cultura germânica a elementos cristãos. O feriado marca a chegada da estação das flores. O termo Ostern vem de Ostara, deusa germânica da primavera. É atribuída aos alemães a tradição dos ovos de Páscoa, que representam a renovação, o recomeço da vida. Entre os pratos tradicionais estão o osterzopf, uma rosca servida com ovos cozidos, e a Möhrencremesuppe, uma sopa de cenoura. Ambos respeitam a restrição à carne.

Como os franceses, os alemães também comem um pão em forma de cordeiro, lá chamado de Osterlamm. Já no domingo, há o Osterbraten, assado de Páscoa que pode ser feito com qualquer carne.

Na Espanha, Pascua

A Páscoa dos espanhóis é bem tradicional devido à devoção local ao catolicismo. Existe a restrição ao consumo de carnes vermelhas sobretudo na Sexta-feira Santa e, como no Brasil, recorrem ao bacalhau. Há também a tradição das torrijas ou pastéis doces, feitos de pão, leite e mel, depois fritos em azeite e passados em açúcar, mel, vinho ou canela. A rigor, são feitos por freiras e vendidos em conventos.

Na França, Paques

Os festejos começam no Mardi Grãs (a terça-feira gorda, que encerra o Carnaval) e vão até a o domingo de Páscoa. A tradição local, que data do século XII, diz que os sinos das igrejas tocam na quinta-feira Santa anunciando a morte de Jesus Cristo e, depois disso, se calam até o domingo. As crianças francesas acreditam que nesse período de silêncio os sinos voam para Roma e retornam com os ovos de chocolate.

Os franceses católicos não comem carne vermelha da Quaresma e/ou na Sexta-feira da Paixão. Trocam por pescados. Há também o gateau de Paques, um bolo assado em forma de cordeiro, que também simboliza Jesus. No domingo, a manhã gira em torno dos ovos de chocolate que podem ser seguidos de omelete ou quiche. Tudo para abrir caminho para o cordeiro assado que é o grande prato da Páscoa francesa. Segundo o chef francês Yann Corderon, do restaurante L'Amitié, o hábito de comer cordeiro no domingo foi herdado da Páscoa judaica e incorporado à tradição cristã porque simboliza a ressurreição. É o cordeiro de Deus.

Na Itália, a Pasqua

País católico por excelência. No sul da Itália, especialmente na Sicília, o grande alimento do feriado é a Colomba Pascal. “Um pão doce, semelhante ao panetone, em formato de pomba, que também lembra uma cruz, remetendo à paz e ao sacrifício de Cristo”. Tradicionalmente, o pão doce pode ser recheado de laranja cristalizada ou apenas coberto de amêncoas. É servido após o almoço de domingo ou no café da manhã.

Nos dias de restrição à carne vermelha, há uma receita tradicional da Ligúria. É uma torta de ricota e espinafre chamada de torta pascoalina. O prato é feito com massa de empadão, recheio de ricota e espinafre e divido em doze fatias. Ovos, que não são de chocolate, são abertos sobre cada pedaço. A torta é assada e servida com ovos levemente cozidos.

Calzone de cebola, bacalhau com purê de batatas e molho branco gratinado no forno e peixe da estação ao forno servido com ervilhas frescas e batata também fazem bom papel na Páscoa das famílias italianas,  assim como o cordeiro ao molho de vinho com polenta ou risoto de parmesão e o  tagliatelle ao molho bolonhesa de cordeiro.

No México, Pascua

Os mexicanos também são um povo católico. Respeitam a Quaresma, quando a carne vermelha é afastada da dieta, e têm no peixe um símbolo do catolicismo. Não há uma preferência pelo bacalhau. São diversos tipos que aparecem em ensopados e assados. Tradicionalmente usam também o nopal, um tipo de cacto, que atua como legume e é usado na salada de camarão, com ovos ou como recheio dos populares tacos.

Outras receitas típicas da temporada são o romerito (vegetal de folha verde, semelhante ao alecrim, servido com camarão inteiro e molho apimentado) e o chocalho (sopa de milho branco seco quebrado em pedaços e cozido). Para sobremesa, a capirotada (pudim feito com torradas de pão que leva queijo, leite, manteiga, açúcar mascavo e canela) e as empanadas doces recheadas de frutas como cereja, damasco, maçã e amora.

Portugal, Páscoa

O bacalhau reina absoluto - o ano inteiro. É um hábito herdado da igreja na Idade Média, quando o calendário impunha restrições alimentares que duravam por quase um terço do ano, obrigando-os a consumir o pescado.

Mas há outras receitas na Páscoa portuguesa como o bolo folar, da região de Trás-os-Montes, um tipo de empadão recheado de guisado de frango. Para a sobremesa, ninhos de ovos tradicionais da doçaria portuguesa. Esses ninhos podem acomodar massa de amêndoas, doce de gemas de ovos ou os ovos de chocolate.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.